(c) Gacs
(c) Gacs

A Diretora Regional da Juventude, Pilar Damião, defendeu, na Horta, que “a maior parte dos jovens demonstra uma vontade clara de participar e influenciar as opções da sociedade”, considerando que a participação no programa Parlamento dos Jovens é uma “prova muito evidente” dessa vontade.

Pilar Damião, que falava na abertura da sessão regional do Parlamento dos Jovens – Secundário, frisou que os jovens “querem promover a democracia e, sobretudo, ser os agentes dessa democracia”, acrescentando que, apesar de questionarem “as tradicionais estruturas institucionais, não se desinteressam da vida pública”.

Nesse sentido, defendeu que se coloca aos decisores políticos o desafio de criar “condições para que os jovens possam afirmar-se melhor como cidadãos solidários, responsáveis, ativos e tolerantes em sociedade plurais”.

Pilar Damião frisou ainda que o Governo dos Açores, porque acredita nesses pressupostos, aposta cada vez mais em projetos como o ‘Parlamento dos Jovens’, que resulta do estabelecimento de pontes e parcerias, não apenas com a Assembleia da República, promotora da iniciativa, e com as escolas dos Açores, mas, de uma forma muito especial, com os próprios jovens.

Relativamente ao programa Parlamento dos Jovens, cuja sessão regional reúne hoje, na sede da Assembleia Legislativa, 57 ‘deputados’ açorianos, alunos do ensino secundário em 27 escolas das ilhas de Santa Maria, São Miguel, Terceira, São Jorge, Pico, Faial e Flores, Pilar Damião referiu que um dos seus objetivos é “promover o debate democrático, o respeito pela diversidade de opiniões e pelas regras de formação das decisões”.

O ‘Parlamento dos Jovens – Secundário’, cuja final nacional decorrerá na Assembleia da República a 26 e 27 de maio, com a participação de ‘deputados’ dos Açores, tem como tema de reflexão “Crise demográfica: emigração, natalidade, envelhecimento”.

DL/GaCS