PalacioConceicao_fev13@RA (6)

A Moodys subiu em um ponto o rating dos Açores de Ba3 para B1, tendo ao mesmo tempo subido o rating da Madeira de B2 para B3.

Em simultâneo, a Moodys colocou estas classificações em revisão para uma posterior subida. A revisão dos ratings está previsto concluir-se no prazo de 90 dias ou assim que a revisão dos ratings soberanos esteja concluída, esclarece uma nota hoje conhecida.

As subidas de hoje foram provocadas pelo aumento, pela Moodys, em um ponto, da notação do rating soberano de Portugal de Ba3 para Ba2, a 9 de Maio de 2014. 

A subida dos ratings do Governo de Portugal tem implicações para os ratings regional e local (RLGs) dentro do país, dadas as estreitas ligações operacionais e financeiras entre o governo central e suas RLGs.

Esclarece ainda a Moodys que os ratings dos Açores e da Madeira refletem principalmente, o alto apoio que as Regiões continuam a receber proveniente do governo central, o que garante que as suas obrigações financeiras sejam atendidas através de empréstimos das finanças portuguesas, se for necessário.

Ambas as Regiões usufruem de altos níveis de apoio do Governo, por isso a Moody´s entende que são elas, em última instância, as responsáveis pela consolidação orçamental.

A par das suas métricas financeiras fracas, esta autonomia fiscal é responsável pelo diferencial entre os ratings destas Regiões e do Governo central.

“A posição fiscal mais forte dos Açores e os seus níveis de dívida (dívida líquida direta e indireta de 237% da receita operacional no final do ano de 2013, quando comparados com a Madeira com 409% de acordo com dados provisórios) justificam uma classificação que excede a Madeira em dois níveis. Os Açores não exigiram mais do governo desde o empréstimo do Estado, no valor de 135 milhões, contratualizado em agosto de 2012, no auge da crise na Europa”, refere a mesma nota.

A colocação em revisão para possível subida resulta da decisão da Moodys em colocar os ratings da dívida portuguesa em revisão para upgrade e reflete o estreito relacionamento entre as RLGs e o governo central.

Por isso, a revisão dos ratings soberanos de Portugal levará a uma atualização, sendo que isso provavelmente terá implicações correspondentes para as RLGs portugueses.

A revisão para upgrade deverá estar concluída a par com a que se iniciou sobre os ratings soberanos, esclarece a agência de notação

DL/Moodys

Share