Açores-Rodrigo-Oliveira-Diretor-Regional

O Subsecretário Regional da Presidência para as Relações Externas defendeu, no Funchal, a importância de um trabalho conjunto para a promoção do denominado ‘crescimento azul’, frisando que os Açores assumem a sua ligação com o mar como uma opção política e estratégica.

Na intervenção que proferiu na abertura do seminário “Plano de Ação para o Atlântico: O crescimento das Regiões Ultraperiféricas da UE e as oportunidades de cooperação territorial europeia”, salientou que, “por razões inerentes à sua localização geográfica, à natureza do seu território e ao papel que o mar desempenha na vida quotidiana dos açorianos, a Estratégia Marítima para a Região Atlântica assume a maior importância para os Açores”.

O Subsecretário Regional recordou que os Açores estão situados no coração do Atlântico e possuem uma Zona Económica Exclusiva com cerca de um milhão de quilómetros quadrados, onde existe “uma extraordinária diversidade de recursos, habitats e sistemas de incalculado potencial económico”.

Para Rodrigo Oliveira, “a dimensão marítima reorienta a perspetiva tradicional sobre as Regiões Ultraperiféricas, centrada nos seus constrangimentos, e salienta a sua real importância e valor e o seu inestimável contributo para a construção de um novo paradigma de crescimento para a União Europeia”.

Nessa perspetiva, além da crescente relevância das atividades marítimo-turísticas, destacou “as perspetivas que se abrem no âmbito da exploração subaquática de metais de grande valor comercial”, como o cobre e o cobalto, ou ainda o potencial dos recursos haliêuticos e da enorme biodiversidade.

O governante defendeu que a cooperação ao nível do espaço da Macaronésia deve ser assumido como “um instrumento privilegiado para continuar a fomentar a formação científica avançada, incentivar a criação de parcerias e grupos de trabalho multidisciplinares internacionais e deverá permitir a consolidação de infraestruturas científicas e tecnológicas de suporte, experimentação e desenvolvimento da investigação marinha, bem como de crescimento azul nas nossas regiões”.

DL/GaCS