O grupo parlamentar do PSD/Açores defende que o Governo deve criar condições para que as escolas da Região adiram em maior número ao programa Fruta Escolar, financiado pela União Europeia para assegurar a distribuição gratuita de fruta e legumes no espaço escolar para promover uma alimentação saudável juntos das crianças e jovens.

Maria João Carreiro, deputada do PSD/Açores, salienta que “numa Região com a prevalência de obesidade infantil como a nossa, o subaproveitamento de fundos comunitários destinados à distribuição gratuita de fruta e legumes no espaço escolar constitui um retrocesso na promoção da saúde através de uma alimentação saudável”.

A porta-voz do PSD/Açores para a Educação questiona, por isso, o executivo açoriano sobre as medidas adotadas pelo Governo regional para, no quadro da autonomia das escolas, incentivar a adesão destas aos apoios europeus em causa, como estratégia de combate à elevada taxa de obesidade infantil que se regista nos Açores.

No requerimento entregue no parlamento açoriano, a social-democrata sublinha que, de acordo com notícias publicadas na imprensa açoriana, apenas 34 escolas do 1.º ciclo do Ensino Básico dos Açores apresentaram candidaturas a estes apoios para o ano letivo 2017/2018, levando que apenas 2200 alunos da Região beneficiem do programa.

A fraca adesão das escolas ao programa Fruta Escolar ficou a dever-se às dificuldades dos estabelecimentos de ensino de algumas ilhas em se abastecerem com fruta e legumes frescos no mercado local e dentro dos parâmetros impostos pela União Europeia.

Neste quadro, os social-democratas querem saber se o executivo vai adotar medidas para facilitar a integração de produtos açorianos nessa distribuição, de forma a que as escolas possam cumprir as normas europeias, sublinhando que “este regime presta não só um apoio valioso a milhares de crianças em idade escolar mas também aos agricultores”.

O novo regime de distribuição de fruta verduras e leite entrou em vigor no passado dia 1 de agosto e será aplicado em toda a União Europeia a partir do próximo ano letivo, desconhecendo-se, para já, o valor a atribuir aos Açores no próximo ano letivo.

A Região beneficiou, no último ano letivo, de “cerca de 93 mil euros, sendo cerca de 73 mil euros de apoio complementar à distribuição de leite escolar” e de “20 mil euros para fruta e que abrange mais de 6800 alunos”, segundo o Açoriano Oriental de 2 de agosto.

Também o projeto nacional “Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável”, uma iniciativa gratuita de educação para a saúde, que tem aumentado consideravelmente o fornecimento de fruta no lanche escolar das crianças que nele participam, não conta com a adesão de todas as escolas dos Açores, sublinha, com preocupação, Maria João Carreiro.

DL/PSD

Share