Rui Bettencourt Governo Açores Comunidades Visita Canada Casa dos Açores

O Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas considerou, no Canadá, ser essencial não apenas a preservação das nossas tradições e costumes mas também termos a “capacidade de inovar e demonstrar a nossa realidade cultural”.

Rui Bettencourt, que falava na Casa dos Açores do Winnipeg, “a identidade açoriana não é algo estático, mas sim um processo que evolui pelo passar do tempo, pela diversidade de atores, pelas experiências da convergência cultural, quer mesmo pelo contacto permanente entre os açorianos que vivem no arquipélago e todos aqueles que estão espalhados pelo mundo”, realçando que “o nosso desafio será precisamente acompanhar as novas dinâmicas, tanto aqui como nas ilhas que nos são comuns”.

No encontro, promovido pela Casa dos Açores e que reuniu cerca de 20 organizações portuguesas da província de Manitoba, o Secretário Regional teve ainda a oportunidade de conhecer a dinâmica comunitária açoriana existente naquela província do Canadá, desde a filarmónica aos grupos folclóricos, das associações culturas às sociais, bem como líderes locais.

A Casa dos Açores do Winnipeg, fundada a 13 de setembro de 1992, tem como objetivos promover, preservar e divulgar localmente a cultura açoriana e criar pontes que aproximem cada vez mais os açorianos residentes, naquela zona do Canadá, aos Açores, através de diversas atividades. A importância da comunidade açoriana naquela cidade foi reconhecida pela Câmara Municipal do Winnipeg ao inscrever na toponímia local a Rua dos Açores.

Ainda durante o dia ontem, na cidade de Montreal, Rui Bettencourt renuiu-se com a Ministra para a Imigração, Diversidade e Inclusão, Kathleen Weil, à qual sublinhou as boas relações entre o Governo do Quebeque e a comunidade açoriana residente naquela província. “Apraz-nos registar o reconhecimento que o Governo desta província tem da nossa comunidade, salientando a sua plena integração e o contributo para o desenvolvimento e progresso socioeconómico e cultural”, afirmou.

DL/Gacs

Share