A Associação Sócio-Profissional Polícia Marítima (ASPPM) reuniu com os Grupos e Representações Parlamentares da Região Autónoma dos Açores, em Ponta Delgada, nos dias 13 e 14 de junho. Dos objetivos desta ronda parlamentar regional, relevam o estreitar de relações entre a Assembleia Legislativa Regional e os profissionais da Polícia Marítima (PM), dando a conhecer as particularidades, dificuldades e desafios que a região apresenta, para a PM, e para os seus profissionais – apresentando propostas de solução regional, e outras de influência regional junto da Assembleia da República.

Foi possível demonstrar a clara assimetria entre o número profissionais da PM e a quantidade de missões que neste momento executa. As consequências de 8 anos sem recrutamento de polícias, e o impacto que – em particular – essa falta de pessoal provoca no controlo dos sectores económicos ligados ao Mar dos Açores.

O crescimento do turismo, na região em particular, implicou o aumento das operações portuárias: de carga, de cruzeiro e inter-ilhas, de recreio, e de atividades marítimo-turísticas – de cetáceos, mergulho e pesca.

Este crescimento origina, também, o aumento de esforço de pescas, pondo em risco os seus stocks – sendo necessário proteger as reservas e bancos dos Açores.

É a proteção destes recursos – e falta de meios técnicos da PM na região, como lanchas com autonomia e capacidade para enfrentar o Mar dos Açores – que levou a ASPPM a propor a atribuição de meios nos mesmos moldes como tem sido às congéneres da região.

Segundo uma nota enviada à nossa redação, os Grupos e Representações Parlamentares da Região ficaram mais cientes das dificuldades da PM, e em especial dos seus profissionais, e sensibilizados para as propostas que a ASPPM deixou para a proteção do Mar dos Açores.

A ASPPM deixou aos Açoreanos – representados pela Assembleia Legislativa Regional – a interrogação de como pretendem proteger o Mar dos Açores; com que efetivo e meios da PM ficará garantida essa proteção.

DL/ASPPM

Share