Responsáveis diocesanos sublinham valor religioso, afetivo e patrimonial do Tesouro

pormenor-do-resplendor-sto-cristo-600-400

A Diocese de Angra acaba de entregar à Direcção Regional da Cultura dos Açores um pedido formal para que a Imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres e os cinco dons que a acompanham na Procissão anual (Resplendor, Ceptro, Corda, Relicário e Coroa), que se realiza em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, no quinto domingo a seguir à Páscoa,  sejam classificados como Tesouro Regional, apurou o Portal da Diocese junto da Cúria, esta sexta feira.

Este pedido vem na sequência do protocolo celebrado entre a Secretaria Regional da Educação, Ciência e Cultura e a Diocese de Angra, a 2 de Abril deste ano, e que visa o inventário dos bens culturais da Diocese açoriana e a sequente valorização do Património Cultural dos Açores.

Os responsáveis diocesanos entendem “que o valor simbólico deste conjunto, que representa o corolário da Paixão de Cristo de acordo com a descrição bíblica, é partilhado por uma vasta comunidade de crentes espalhados por todo o mundo” e por isso, deve “merecer” uma classificação diferente.

Para lá do valor material de cada um dos seis bens em apreço, “esta proposta reflete que a Diocese de Angra está consciente do valor religioso e devocional que este conjunto tem para os fiéis e pretende dignificar esta fé de forma privilegiada, propondo que seja institucionalmente reconhecido como Tesouro formal o que desde há muito é um tesouro no coração de inúmeros devotos”, diz o documento a que o Portal da Diocese teve acesso.

“Esta fé, que tem expressão na procissão pluri-centenária um momento de devoção pública, é vivificada diariamente de forma mais individual, face à contemplação quotidiana da Imagem do Senhor no Santuário da Esperança”, conclui o documento.

Recorde-se que uma destas peças está neste momento em Lisboa. O Resplendor do Senhor Santo Cristo  encontra-se à guarda do Museu Nacional de Arte Antiga para integrar uma exposição “Splendor et Gloria”, que começa em setembro e reúne mais quatro peças contemporâneas de ourivesaria do período barroco entre 1756 e 1780.ubro deste ano.

A Jóia regressa à região a 31 de outubro.

As Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres são as maiores festas religiosas dos Açores.

DL/DioceseAngra

Categorias: Religião

Deixe um comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*