Açores já têm uma centena de profissionais de saúde com formação na área da violência doméstica

sdr

O Governo dos Açores já formou cerca de uma centena de profissionais de saúde sobre violência doméstica, violência contra grupos vulneráveis e outras formas de violência, por forma a garantir uma resposta mais eficaz às vítimas que não conseguem pedir apoio.

A Secretária Regional da Solidariedade Social, que falava no encerramento da última de quatro formações ministradas nas ilhas Terceira e Faial, frisou que o objetivo é reforçar o papel dos profissionais das unidades de saúde no apoio adequado a vítimas de violência doméstica.

A articulação entre as secretarias regionais da Solidariedade Social e da Saúde, e respetivos serviços dependentes, permite assegurar uma resposta mais eficaz às vítimas de violência que não conseguem pedir ajuda, salientou Andreia Cardoso.

A iniciativa desenvolve-se no âmbito do II Plano Regional de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género e é promovida pela Direção Regional da Solidariedade Social em parceria com a Novo Dia – Associação para a Inclusão Social, seguindo um referencial formativo da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género.

A Secretária Regional revelou ainda que está projetado para 2019 o alargamento deste ciclo formativo à ilha de São Miguel.

Resultante de uma parceria entre as direções regionais da Solidariedade Social e da Saúde, hospitais e unidades de saúde, redes de Apoio Integrado à Mulher em Situação de Risco e polos locais de Prevenção e Combate à Violência Doméstica, Andreia Cardoso lembrou que está também em curso a constituição nas unidades de saúde dos Núcleos de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica.

Em 2017, iniciou-se o projeto-piloto no Hospital de Espírito Santo da Ilha Terceira e na Unidade de Saúde da Ilha Terceira, estando em curso o seu alargamento às estruturas de saúde do Faial, nomeadamente o Hospital da Horta e a Unidade de Saúde de Ilha, onde o projeto começa já no corrente mês, salientou a Secretária Regional.

Está prevista a implementação na ilha de São Miguel no próximo ano e o alargamento faseado às restantes ilhas do arquipélago no decurso de 2020.

De acordo com a governante, este projeto pretende não só estruturar todo um trabalho que já vem sendo feito na Região, mas também criar e reforçar circuitos e procedimentos de rastreamento e de encaminhamento de situações de violência doméstica para as estruturas de apoio a vítimas existentes em todas as ilhas.

Com a implementação destes núcleos, Andreia Cardoso defendeu que “não se pretende a criação de novas estruturas”, mas a estruturação de uma equipa multidisciplinar, constituída por profissionais clínicos, um profissional de serviço social e um psicólogo, em cada estrutura de saúde, com instrumentos e circuitos de atuação definidos, que permitam uma maior articulação entre serviços em matéria de violência doméstica.

Recorde-se que o Governo Regional anunciou, em maio, a realização de um estudo sobre a violência doméstica e de género nos Açores.

Assim, e à semelhança do que aconteceu em 2009, este estudo será desenvolvido pelo Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, sob coordenação de Manuel Lisboa, estando previsto um período de aproximadamente um ano para a sua realização e contando com uma amostra estatisticamente significativa e comparável com o estudo original, de mulheres e de homens com 18 ou mais anos residentes na Região.

Andreia Cardoso adiantou que o estudo “com certeza trará dados que nos vão permitir estruturar ainda melhor as nossas respostas e que será muito útil para o desenvolvimento do III Plano de Combate à Violência Doméstica, que está em preparação e cujo início se prevê, naturalmente, em 2019”.

DL/Gacs

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*