Associação “Os Quiridos” levou a efeito uma reconstituição histórica sobre as lavadeiras de Água de Pau

No âmbito das celebrações das Jornadas do Património a associação “OS QUIRIDOS” da Vila de Água de Pau, levou a efeito uma reconstituição histórica sobre as lavadeiras.

O local escolhido foi nos antigos lavadouros, onde no passado foi uma construção de extrema importância indo ao encontro da necessidade da população, porque antes desta construção, as lavadeiras usavam as várias ribeiras espalhadas pela vila.

Ao Jornal Diário da Lagoa, o presidente da associação fez um balanço positivo do evento.

“O mais fiel possível, foi o lema da reconstituição histórica sobre as lavadeiras da Vila de Água de Pau. Sob pesquisa em registos fotográficos e antigos artigos do jornal da altura ‘A Lagoa’, cedidos cordialmente por Roberto de Medeiros, que em muito nos ajudou para a realização desta reconstituição histórica que foi um marco na história da Vila. Não apenas nos focamos no quotidiano árduo das lavadeiras, mas sim no dia de extrema importância daquele que para muitos marcaram as suas vidas e que ainda hoje relembram com saudade, a ‘Inauguração dos lavadouros do Paul’ ou os tanques do Paul como são mais conhecidos.”

Recorda João Baganha Cabral “o dia 3 de julho de 1948 foi de facto de grande alegria na freguesia, foi um dia de festa. Começando pela decoração da própria rua com um enorme tapete de verdura picada onde o seu começo fora um arco coberto de cryptoméria encimado pelo escudo nacional, onde no largo em frente aos lavadouros outro tapete circular esperava as individualidades convidados pela Câmara da Lagoa, sendo seu presidente o senhor Presidente Carlos Bicudo de Medeiros. Estiveram presentes representantes da antiga Junta Geral, Junta de Freguesia, Clero, figuras importantes do concelho, desde a Atalhada à Ribeira Chã, fazendo parte dos convidados o sr. Agnelo Ávila Vasconcelos, inspetor administrativo, presentemente em visita aos municípios rurais desta ilha. Ao toque do hino da “Maria da fonte” foi a tão aguardada chegada do Sr. Governador do Distrito Autónomo, Aniceto dos Santos, saudado pelas crianças das escolas que lhe ofereceram flores e pela assistência, á frente da qual se via a Vereação com o seu Presidente. Seguido pelos discursos do Sr. Presidente Carlos Bicudo de Medeiros e pelo Sr. Padre Manuel dos Reis Câmara, ouve-se as palavras do Governador do Distrito Capitão Aniceto dos Santos, agradecendo pelo convite a estar presente naquela que será uma data que a Vila de Água de Pau jamais irá esquecer, o feito da grande obra útil e de dupla funcionalidade dos lavadouros e fontanário na praceta do Paul. Dirigindo-se então em direção ao fontenário exterior acompanhado pelo hino nacional, uma rapariga colocou uma talha, e o Chefe do Distrito abriu o jorro de água que iria servir aquele extremo da vila, pequeno melhoramento que foi sempre em todos os tempos motivo de júbilo popular.”

Nesta explicação, é recordado que, “as lavadeiras e prontas nos seus locais de futuro quotidiano, no interior junto aos lavadouros, entoaram cantigas das mais finas notas musicais possíveis, sinal este de grande satisfação. E como é tradição, não existe festa ou ajuntamento algum nesta terra que termine com o “balho ‘furado’.”

Adianta João Cabral que assim foi o trabalho apresentado à população e forasteiros, sendo o mais fiel daquela altura. “Para quem assistiu, ficou deliciado, quem não esteve presente, ficou com pena. Posso dizer que da nossa parte Associação “OS QUIRIDOS” correu como tínhamos planeado, não fosse a preciosa ajuda incansável por parte de algumas pessoas que se dedicaram a esta reconstituição histórica, o meu muito obrigado. De igual modo a forma exemplar e até bastante profissional para toda a figuração do elenco deste feito, não fosse essa entrega total não seria o êxito alcançado. Um agradecimento especial também ao Grupo de Cantares da Vila de água de Pau “Animadores do Divino” que desde logo aceito este desafio. Ao “Grupo Jovem Pauense” pela sublime e exemplar prestação. À nossa Comissão de Festa N.S. dos Anjos com o seu precioso contributo. Agradecimentos à Câmara Municipal da Cidade de Lagoa pelo convite e confiança do nosso trabalho e de igual modo á nossa Junta de Freguesia que tem contribuído pelo seu possível apoio sendo sempre de extrema importância. Foi com pesar a ausência da nossa filarmónica “Fraternidade Rural” que não podendo estar presente por motivo de serviço, tendo a certeza que muito iria engrandecer ainda mais este dia com a sua prestação. Falhas todos nós temos, somos humanos, mas tendo sempre a capacidade de assumir os nossos erros para sempre em conjunto com todos fazermos mais e melhor.

João Baganha Cabral deixou igualmente o agradecimento aos atores convidados Elisa Sousa, Isabel Dias, Ofélia Silva e Mário Sousa pela forma exemplar e profissional que desempenharam seus papéis, assim como a todos que, direta ou indiretamente contribuíram para que este dia fosse mais um marco na história cultural da Vila de Água de Pau”.

(Artigo publicado na edição impressa de outubro de 2018)

Categorias: Cultura, Local

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*