Rui Bettencourt defende inclusão das Regiões Ultraperiféricas nas ‘Autoestradas do Mar’ e apoios para os sobrecustos dos transportes

O Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas defendeu, na Córsega, a necessidade de as ‘Autoestradas do Mar’ incluírem os Açores e as ilhas das Regiões Ultraperiféricas.

Rui Bettencourt, que falava no painel ‘Transporte e acessibilidade nas ilhas europeias’, no âmbito da Assembleia Geral da Comissão das Ilhas da Conferência das Regiões Periféricas Marítimas da Europa (CRPM), na qual expôs as preocupações do Governo dos Açores em relação à política do próximo quadro financeiro plurianual 2021/2027, reiterou ainda a necessidade de os sobrecustos resultantes dos transportes de pessoas e mercadorias nestas regiões serem contemplados com financiamento comunitário.

Para o titular da pasta das Relações Externas, esta questão dos transportes e da acessibilidade “é uma questão não só comercial e económica, mas também uma questão de cidadania europeia”, além de ser igualmente “uma questão de competitividade da Região e da atratividade do território”, que pode “minimizar a ultraperiferia”.

Na sua intervenção, em que abordou a temática ‘As ilhas das Regiões Ultraperiféricas nas estradas da Europa – o caso dos Açores’, o governante considerou que a acessibilidade potencia o turismo, a economia do mar e as exportações, nomeadamente de produtos lácteos, chá e produtos agrícolas, salientando, por outro lado, que também facilita a mobilidade das pessoas, quer interna, quer externa, sem esquecer o “efeito de escala” atendendo à fragilidade e dimensão destes mercados económicos.

Rui Bettencourt falou ainda do exemplo da Macaronésia, que engloba os Açores, a Madeira, as Canárias e Cabo Verde, um mercado em que se passa de 250 mil consumidores para mais de três milhões e de um milhão de turistas para mais de 20 milhões de turistas, com quem poderiam ter transportes regulares se a questão dos transportes for contemplada na política comunitária.

DL/Gacs

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*