“Hospital Internacional dos Açores será uma infraestrutura relevante para o desenvolvimento do concelho”

Foi lançada esta terça-feira, dia 19 de junho, a primeira pedra do futuro Hospital Internacional dos Açores (HIA), a ser construído nos terrenos contíguos ao Nonagon – Parque da Ciência e Tecnologia de São Miguel.

Falando na apresentação deste investimento, Luís Miguel Farinha, Presidente do Concelho de Administração do HIA, recordou que a capacidade instalada será integral e que pretende estar ao serviço de toda a população, quer residente quer flutuante.

Segundo adiantou, a aposta da construção do futuro HIA nos Açores deveu-se ao facto de inexistência duma unidade como esta na região, sendo que a oferta será generalista, com uma forte aposta também no turismo de saúde, onde pretendem trabalhar com a diáspora, dando a possibilidade de desenvolver este segmento.

Quanto à sua localização, Luís Farinha foi perentório, destacando que este teria de ser construído, como é lógico, na ilha com maior população, e num local estratégico e central, como é o caso da Lagoa, onde destacou a visão, a capacidade, o dinamismo de decisão do executivo da Lagoa, o que não encontraram noutros investimentos no país, dai ter sido fulcral para a decisão da sua instalação neste concelho, sendo aliás a mais central da ilha, com ligação rápida aos restantes concelhos da ilha.

O HIA apostará numa oferta de serviços de qualidade, diferenciada e inovadora, concebida de forma abrangente e acurada, onde os serviços hoteleiros, a tecnologia dos equipamentos e a distinção dos recursos humanos constituirão a pedra basilar do projeto.

A infraestrutura do HIA arquitetada numa fachada moderna e funcional terá cerca de 12.500m2 divididos por 3 pisos, cujo investimento financeiro se situará próximo dos 30M de euros, prevendo-se que o capital humano atinja os 350 colaboradores em velocidade cruzeiro e tendo datada a sua inauguração no primeiro trimestre de 2020.

O HIA pretende servir toda a população residente do arquipélago, mas também estabelecer uma relação privilegiada com a comunidade emigrante e, ser igualmente uma referência da população estrangeira no âmbito do Turismo de Saúde. Para este foco estão já pensados vários pacotes de Hotelaria/Saúde que em parceria com as várias entidades regionais relacionadas com este setor, colocarão os Açores na rota do Turismo Médico Internacional.

Por seu turno, José Batista, administrador para a área clínica do HIA, recordou ser este um hospital generalista, mas obviamente com bandeiras, técnicas e especialidades que ainda não existem nos Açores, sendo assim complementar ao que já existe, com especialidades que cobrem quase todas as áreas da medicina.

As unidades funcionais de maior diferenciação e inovação tecnológica incluem o Centro Cardiovascular dos Açores, com cirurgia vascular e cirurgia cardíaca, o Centro de Cirurgia Laparoscópica, o Centro de Urologia dos Açores e as Unidades de Cuidados Intensivos e Neurocirurgia.

Por seu lado, o Bloco Operatório será constituído por 3 salas operatórias, uma das quais híbrida, enquanto o internamento contará com cerca de 60 camas, (incluindo camas para Maternidade e Pediatria) e o ambulatório integrará diversos gabinetes para acolher as cerca de 40 especialidades que estão previstas. Outra área com uma forte estrutura será a dos meios complementares de diagnóstico onde estarão presentes um laboratório Análises Clínicas e outro de Anatomia Patológica, os Centros de Função Respiratória, de Estudos Neurofisiológicos e de Audiologia e um serviço de Imagiologia integrado com disponibilidade de Tomografia Axial Computorizada (TAC’s), Ressonância Magnética, Densitometria, Ecografia, Mamografia, Pac’s de Digitalização Fina e Raios X digital.

Os serviços de Atendimento Permanente de Medicina Geral e Familiar e de Pediatria funcionarão diariamente 24H, com o apoio do transporte de ambulâncias próprio, segundo recordou.

Presente nesta sessão esteve a presidente da Câmara Municipal de Lagoa, Cristina Calisto, onde referiu ser este um momento para celebrar, numa altura em que se assiste ao lançamento da primeira pedra do futuro Hospital Internacional dos Açores.

Segundo adiantou, é um investimento que surge ao abrigo do Lagoa Investe, o regulamento de apoio e incentivo a iniciativas económicas de interesse municipal, e que não deixa de espelhar algumas das prioridades do Lagoa em matérias de dinamização empresarial e desenvolvimento económica, sendo sem dúvida a concretização de uma grande ambição do município.

Cristina Calisto recordou que esta zona do Tecnoparque é uma área de expansão da Lagoa, onde já se situa o Expolab, o Nonagon, e agora com o Hospital. “A Lagoa inicia um novo e promissor ciclo uma vez que concretização deste investimento terá impacto não só para este concelho mas também para a própria Região Autónoma dos Açores”.

A autarca destacou o facto de a Lagoa ser um centro de estratégico de desenvolvimento está marcada por importantes projetos resultantes da política que a autarquia quer para o concelho.

“O Tecnoparque, a obra mais criticada de sempre dos últimos 20 anos, está a afirmar-se, perante todos, como um elemento diferenciador em comparação com os outros concelhos. Há 20 anos quem governava a Lagoa foi visionário, arriscamos e fomos criticados, mas cumpre-se agora a promessa”, destacou.

Cristina Calisto disse não ter dúvidas que “este hospital será uma infraestrutura relevante para o desenvolvimento do concelho, e virá contribuir fortemente para a criação de postos de trabalho, para a dinamização de outros setores do tecido empresarial, para além de que será uma aposta na inovação e tecnologia, através de uma estratégia comercial e inovadora a nível regional”.

“Não restem dúvidas que o Tecnoparque é o espaço de excelência para grandes investimentos e para projetos de grande dimensão nacional e internacional, como é o caso deste hospital”, recordou.

A autarca aproveitou ainda a ocasião para destacar o facto de 2018 estar a ser um ano intenso e simultaneamente gratificante em termos de perspetivas económicas e noivos projetos, recordando que, desde janeiro deste ano, deu-se o arranque das obras do empreendimento Lazer e Turismo – Quinta da Parodia (janeiro); foi aprovada a candidatura, a fundos comunitários, dos projetos Lagoa Smart City e Ciclovia da Lagoa (fevereiro); abriu o Gabinete de Desenvolvimento Económico (março); iniciou-se o processo de licenciamento e anúncio de um Lar Residencial e um CAO (abril), arrancaram as obras do empreendimento turístico Sul Villas (maio), e agora o lançamento da primeira pedra do futuro Hospital Internacional dos Açores (junho).

Mas a autarca disse ainda que a dinâmica continuar com dois novos projetos, a serem anunciados em breve, que irão reforçar as áreas do turismo e da educação.

Aproveitando a presença do Presidente do Governo Regional dos Açores na cerimónia, a autarca da Lagoa lembrou que aguarda o arranque do segundo bloco do Nonagon que, para além de elevar o nível do parque, irá diversificar os serviços ali existentes.

DL

Categorias: Local, Saude

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*