Santa Cruz acolheu comemorações do Dia do Romeiro

O Rancho de Romeiros de Santa Cruz e a própria Matriz de Lagoa foram os anfitriões do Dia do Romeiro que se comemorou este domingo, dia 15 de abril.

Do programa das comemorações, após o acolhimento dos irmãos, seguiu-se um momento de testemunhos sobre a forma como decorreu a romaria nesta Quaresma. Mais tarde foi celebrada Eucaristia, partilhada com a comunidade local. Após o almoço partilhado entre os romeiros e familiares, a tarde prosseguiu com várias iniciativas culturais

O Mestre do Rancho de Romeiros de Santa Cruz adianta que este continua a ser um dia muito importante que, por ser o terceiro domingo após a Páscoa, ainda se vive com fervor as vivências da semana da romaria e da própria quaresma.

João Carlos Botelho, ao Jornal Diário da Lagoa, recorda que o Rancho de Santa Cruz tentou organizar este dia da melhor forma possível, aludindo ao empenho dos romeiros na organização.

Cerca de uma centena de pessoas marcou presença nas comemorações, uma adesão que, ao longo dos anos, tem sido fraca, facto que deve-se também às muitas atividades que por esta altura decorrem na ilha, é caso das Domingas do Espírito Santo e, em muitas Paróquias, celebra-se a procissão aos Enfermos o que, segundo o Pe. Nuno Maiato, Diretor Espiritual do Movimento de Romeiros de São Miguel, faz com que as pessoas estejam mais dispersas que em outras alturas do ano, isto além dos atrativos naturais que os romeiros e cristãos se envolvem igualmente.

Para o Pe. Nuno Maiato, também pároco da Matriz de Lagoa, recorda que este é terceiro ano que a Paróquia de Santa Cruz organiza este dia, sendo uma forma de incentivar os próprios romeiros para este momento de partilha e reflexão pós romarias.

Um dia que continua a fazer sentido porque “por poucos romeiros que congregue é sempre uma oportunidade para que esta família se possa reencontrar de novo”.

Ao Jornal Diário da Lagoa referiu o pároco que “há que aceitar esta realidade e tentar adaptar este dia à realidade no momento em que ele atualmente é celebrado e vivido”.

Também o presidente do Movimento Romeiros de São Miguel, entende que este é um dia que continua a fazer sentido realizar-se. Um dia que começou a ser celebrado há uns 30 anos, onde já houve uma grande adesão por parte dos romeiros mas que, nos últimos anos, essa adesão tem vindo a diminuir.

João Carlos Leite recorda que o dia tem sido assinalado contemplando as várias zonas da ilha e as localidades que organizam este dia, se tem empenhado em promover um dia de entretenimento e convívio.

O responsável pelos romeiros diz que este é um dia que tem que continuar a ser comemorado embora admita que tem de ser dada a volta para tentar, de alguma maneira, dignificar melhor o Dia do Romeiro.

Este dia serviu também de mote para a abertura da Exposição Fotográfica “Doações” com imagens alusivas às romarias quaresmais.

São fotografias que foram doadas por dois fotógrafos, José António Rodrigues e Luís Ferreira, que poderão ser visitadas durante o habitual horário de funcionamento da Casa do Romeiro, em Santa Cruz, até ao início das atividades pastorais do próximo ano, nomeadamente 15 de outubro de 2018.

João Carlos Leite diz que são exposições que também servem para dar dinâmica à própria Casa do Romeiro.

DL

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*