Operário perde e complica manutenção

Foto (c) Henrique Barreira

A manutenção do Operário no Campeonato de Portugal complicou com o resultado deste domingo, na partida disputada no Campo João Gualberto Borges Arruda, com mais uma derrota averbada, desta feita na receção ao Oriental.

No encontro referente à jornada 28, da Série E, aos fabris apenas interessava a vitória, por forma a continuar a sonhar com manutenção, mas o resultado acabou por ser negativo com uma derrota por 0-2.

A primeira parte do encontro até foi equilibrada, com a equipa da casa a criar alguns lances de perigo, enquanto na segunda parte tudo foi mais difícil.

Os visitantes chegaram ao golo no segundo tempo, num lance em que a bola não chegou a entrar na baliza, mas a equipa de arbitragem assim não entendeu. Um lance que acabou por ser determinante.

O treinador do Operário recordou que a sua equipa estudou o adversário, nas atitudes que são possíveis, mas da forma como foi alcançado o golo é impossível pensar. “Ninguém estava à espera dum lance como aquele que deu o primeiro golo ao Oriental”, disse André Branquinho na sala de imprensa.

Aos jornalistas o técnico fabril disse tratar-se de um lance infeliz da equipa de arbitragem e que foi determinante para o resultado final.

“Equipas na situação do Operário não é fácil, depois dum lance destes, manter os jogadores serenos e concentrados no que têm de fazer, por mais positiva que seja a mensagem que se pretende passar”.

André Branquinho recordou que antes deste lance, surgiram dois erros da própria equipa, tal como aconteceu no segundo golo, que surgiu de um outro erro dos seus jogadores.

Sobre o lance que dá o primeiro golo, o treinador do Oriental diz que não tem visão do lande do banco, mas se o árbitro e o fiscal de linha o validaram, é porque assim entenderam que o era.

Toni Pereira mostrou-se, por um lado, satisfeito com o resultado, mas também triste pela situação em que se encontra o Operário, até pela amizade de longos anos que tem com o presidente e treinador fabril.

“É uma vitória que não sabe a vitória”, disse o técnico do Oriental, adiantando que, sobre o jogo, “sabíamos que mais tarde ou mais cedo haveria um desequilíbrio do Operário e iriamos aproveitar para chegar ao golo, e foi isso que aconteceu”.

No final o Operário ficou sem pontuar nesta jornada, estando agora tudo mais difícil para as contas da equipa da Lagoa, num encontro em que a equipa de arbitragem acabou por ter influência no resultado. 

Os fabris estão na 12ª posição com 27 pontos, no grupo das seis equipas com descida direta após o término desta fase da prova.

Nas duas jornadas que faltam, o Operário desloca-se no próximo fim de semana ao terreno do Castrense, recebendo na última jornada o líder Farense.

A outra equipa açoriana nesta série, o Ideal, empatou a  zero no terreno do Moncarapachense, tem 29 pontos e ocupa o 10ª lugar, a posição imediata acima da linha da despromoção.

DL

Categorias: Desporto, Local

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*