Remédios recebeu 13º Festival de Cantorias ao Desafio

Nos 16, 17 e 18 de fevereiro, o polidesportivo dos Remédios foi palco de mais uma edição do Festival de Cantorias ao Desafio.

Com a edição número 13, esta iniciativa cultural, que já é uma referência no concelho de Lagoa, é organizada pela Associação Cultural e Recreativa dos Remédios, tendo à semelhança das edições anteriores, o apoio da Câmara Municipal de Lagoa e da Junta de Freguesia de Santa Cruz.

Este ano, o Festival de Cantorias ao Desafio surgiu com uma nova imagem que, segundo a vereadora da autarquia, Albertina Oliveira, “assenta, essencialmente, emvalorizar aquele festival como sendo uma referência concelhia a nível regional e, desta forma, dignificar também o trabalho da Associação Cultural e Recreativa dos Remédios, presidida por Raúl Medeiros, e das dezenas de voluntários daquela comunidade que se juntam para dar o seu melhor em prol do lugar onde vivem, projetando os Remédios como ponto de interesse cultural”.

Para além da nova imagem em termos do espaço do festival, houve também algumas inovações no cartaz oferecido. Na abertura do festival decorreu um momento de “Stand Up Comedy” – Helfimed (Hélder Medeiros). Sendo que no segundo dia atuou o fadista Fábio Eurico.

Nos três dias de cantorias ao desafio, marcaram presença vários cantadores, não só da Ilha de São Miguel, mas também de outras ilhas dos Açores e dos Estados Unidos da América (EUA). Vindo dos EUA esteve Eduardo Papoila, da Ilha de São Miguel João Luís Mariano, da Ilha Terceira José Eliseu, Maria Clara e Fábio Ourique e da Ilha de São Jorge Bruno Oliveira. Os tocadores foram Fernando Silva, Marco Silva, Renato Cordeiro e Toni Silva.

Neste festival, não faltou ainda a gastronomia tradicional composta habitualmente por sopas variadas, torresmos, inhames, morcela, chouriço, pão de milho, feijoada, fava guisada, fava-rica e na doçaria as tradicionais malassadas, arroz doce e bolos caseiros variados confecionados por várias senhoras desta comunidade que se dedicam voluntariamente a trabalhar para esta festividade do lugar dos Remédios.

Em declarações ao Jornal Diário da Lagoa, o presidente da Associação Cultural e Recreativa dos Remédios fez o balanço positivo de mais esta edição.

Por seu turno, falando no âmbito deste festival, a Presidente da autarquia lagoense, Cristina Calisto, referiu que o lugar dos Remédios tem potêncial.

A autarca frisou, novamente, a importância deste festival como referência cultural que atrai muitos visitantes ao lugar dos Remédios por esta altura, devido à valorização desta tradição açoriana: as  antorias ao desafio, colocando este lugar no mapa dos grandes eventos culturais da ilha.

Já na sua décima terceira edição, “começou pequeno, mas já vai grande e, este ano, reapareceu com um ar mais moderno, renovado, que só o vem dignificar como uma referência cultural no concelho e na nossa ilha e, quiçá, dos Açores” disse Cristina Calisto, congratulando a Associação Recreativa e Cultural dos Remédios, presidida pelo dinâmico José Raul.

Por outro lado, a autarca ressalvou ainda a importância do lugar dos Remédios como potenciador do desenvolvimento turístico do concelho, no âmbito do turismo de natureza, relembrando a localização de um dos trilhos com mais afluência de turistas na Lagoa: o trilho da Janela do Inferno. Apelou para a necessidade de quem o frequenta e por ali circula, que tenha sensibilidade em respeitar a manutenção que se faz, reforçando, também, a ideia de que o respeito pelo trabalho da autarquia feito nestes espaços deve ser uma responsabilidade e uma causa de todos, podendo contribuir para o desenvolvimento paisagístico e turístico deste lugar. Aliás, e nesta matéria, Cristina Calisto anunciou, para breve, a abertura da Casa da Montanha que, associada à preservação Reserva Natural da Lagoa de Fogo, colocará os Remédios noutro patamar, podendo vir a ter um papel crucial no futuro, esperando que a sua comunidade saiba tirar partido disto em termos culturais e económicos.

Ao nosso jornal, José Raúl Medeiros destacou o facto deste festival apresentar melhoramentos de edição em edição. “É um festival que tem pernas para andar, ninguém quer que o festival acabe, pois é um evento que dá vida ao concelho, tem fama e é único”. Segundo adiantou, eEsta é uma  iniciativa, a par de outras neste lugar dos Remédios a manter.

José Raul confessa que os anos passam é há necessidade de sangue novo para dar continuidade a estas festas. Mas mesmo assim, diz sentir uma força interior para continuar.

Recentemente faleceu sua mãe,  e um dos últimos pedidos, foi para que as festas onde está inserido nunca acabem. Ora, José Raul, diz que sente mais força e vontade de continuar. 

Admite que gostava que surgisse  gente nova para dar continuidade, mas enquanto puder e tiver forças, vai levar este trabalho em frente, quer seja neste Festival de Cantorias ao Desafio, assim como nas estantes festividades que a Associação organiza, quer sejam as festas da Igreja como do Espírito Santo.

DL

Categorias: Cultura, Local

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*