Serrão Santos discute alterações climáticas e economia azul em cimeira ACP-EU

O eurodeputado Ricardo Serrão Santos, participou, na 34ª sessão plenária da Assembleia Parlamentar ACP-UE. Na reunião, que teve entre os principais tópicos de agenda as mudanças climáticas, os recursos minerais, a economia azul e o turismo sustentável, o eurodeputado açoriano foi, enquanto porta-voz dos socialista europeus para as alterações climáticas, co-relator das resoluções: “Melhorar a resiliência face às mudanças climáticas e as catástrofes naturais nos países ACP” e “A economia azul: oportunidades e desafios para os países ACP”, ambas aprovadas por unanimidade.

Segundo uma nota enviada à nossa redação, para o deputado europeu, que interveio na discussão das resoluções, “colocam-se com muita urgência não só medidas de mitigação, mas a necessidade urgente e continuada de políticas sustentadas de adaptação e reforço da resiliência. Nas próximas décadas continuaremos a ser confrontados com crescentes riscos naturais de causa climatérica”.

É que, afirmou o parlamentar, “para mitigar as consequências e reduzir o grau de “catástrofe”, haverá que insistir na adaptação, apostar na criação de capacidades de resiliência, ambiental, social e produtiva, em particular nos países mais vulneráveis, e que em muitos casos são os que menos contribuíram para o processo do aquecimento global. Muitos desses países, são países ACP, alguns deles com o risco de desaparecerem da geografia tal como hoje conhecemos”.

Falando acerca do que deve ser feito Serrão Santos disse que “é preciso dar prioridade à cooperação em matéria de agricultura e pescas sustentáveis, incluindo a salvaguarda dos serviços ecossistémicos e a segurança alimentar e nutricional”. Para isso, referiu, “é muito importante que os países ACP com mais debilidades na produção não sejam inundados com produtos agrícolas e de aquacultura subvencionados das economias mais industrializadas”.

O deputado europeu chamou ainda a atenção para a necessidade de dar mais consistência à cooperação científica, “não só em áreas de produção, como a agricultura e as pescas, mas também no ambiente em geral, incluindo a previsão de riscos para os quais o sistema Europeu COPERNICUS, que cobre uma vasta gama de situações de emergência relacionadas com riscos naturais em tempo quase-real, deveria ter antenas operacionais especificamente dedicadas às regiões ACP”.

A Assembleia Parlamentar ACP-UE que é composta por deputados do Parlamento Europeu e por deputados dos Estados de África, Caribe e Pacífico realizou-se, em Port-au-prince, no Haiti um país, que ainda recupera de violento sismo de 2010 e que tem sido devastado por violentos furacões tropicais o último dos quais em outubro deste ano.

DL/GDPE

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*