Espaço saúde: Sarna humana – Escabiose

É mais frequente do que a população possa pensar a ocorrência de casos de sarna. Embora não seja, propriamente, considerado um problema para a saúde pública é certo que causa morbilidade devido ao prurido intenso, infecciosidade elevada, surtos frequentes e persistência dos sintomas por muitos dias.

A sarna humana, conhecida na clinica por escabiose, é uma doença de pele causada por um ácaro, o Sarcoptes scabiei. Este parasita vive, alimenta-se e reproduz-se na pele e também consegue sobreviver no ambiente por 24 a 48 horas, o que possibilita a sua transmissão através de roupas, lençóis ou toalhas.

A escabiose ou sarna existe no mundo todo e afeta pessoas de todas as raças e classes sociais.

 A fêmea desta espécie penetra nas camadas superficiais da pele, originando um pequeno túnel, onde deposita os seus ovos durante cerca de 30 dias, o que corresponde á duração do seu ciclo de vida. A fêmea põe 2 a 3 ovos por dia, estes eclodem em três ou quatro dias, e as larvas recém-nascidas voltam á superfície da pele, onde amadurecem e podem- se espalhar para outras áreas do corpo.

Ao moverem-se através da epiderme vão deixando fezes que criam lesões lineares visíveis na pele. Devido á reação alérgica causada pelos ácaros e respetivos ovos e fezes, ocorre prurido intenso e lesões cutâneas.

Trata-se, assim, de uma infeção contagiosa, que pode disseminar- se rapidamente através do contato físico próximo, normalmente o contágio ocorre entre familiares que vivem na mesma casa, bem como em lares, creches, estabelecimentos prisionais, entre outros.  A via sexual é outra forma comum de se adquirir a infeção.

O diagnóstico é feito com base na observação do doente e nas suas queixas. O principal sintoma é o prurido intenso que tende a intensificar-se á noite. As lesões características da sarna são pequenas pápulas (pontinhos com relevo) avermelhadas, de 1 a 3 mm de diâmetro. Podem aparecer em qualquer zona do corpo sendo mais frequente nas mãos (principalmente entre os dedos), pulsos, cotovelos, axilas, mamilos, ao redor do umbigo, genitália (especialmente em homens), joelhos, nádegas, coxas e pés. Os túneis produzidos pelas fêmeas podem ser visíveis e geralmente, apresentam-se como linhas finas na pele onduladas, brancas ou acinzentadas., discretamente elevadas, que podem ter até 10mm de comprimento.

Uma pessoa contaminada pode transmitir a sarna, mesmo antes de aparecerem os sintomas, ou seja, no período de incubação.

O período de incubação da sarna é de cerca de 6 semanas. Nos pacientes reinfectados, os sintomas podem surgir em apenas 24 horas.

Uma forma grave de sarna é a chamada sarna crostosa ou norueguesa que ocorre em pessoas com sistema imunitário enfraquecido como idosos ou os portadores de problemas, pessoas com SIDA, hanseníase, linfoma, síndrome de Down ou outras doenças que provoquem alterações do sistema imunológico.

O tratamento da escabiose ou sarna é feito através da aplicação de uma loção apropriada para ser aplicada na pele que tem como objetivo acabar com a infestação pelo parasita. Em Portugal o mais comum é o benzoato de benzila e cremes á base de enxofre quando está contraindicada a aplicação do benzoato de benzila. Geralmente, a pessoa infetada aplica o medicamento sobre o corpo após o banho, por alguns dias, deixando agir durante a noite e retirando-o no dia seguinte. É importante que a aplicação seja repetida após 7 dias, para combater os ácaros que nasceram depois da primeira aplicação. Podem também ser prescritos medicamentos para aliviar o prurido.

É importante lembrar a pessoa infetada com o ácaro da sarna costuma demorar até 6 semanas para apresentar sintomas. Por isso, o tratamento também é recomendado para os membros da família e contatos sexuais, mesmo que estes não manifestem sintomas de forma a evitar a transmissão e reinfeção.

Os sintomas podem perdurar algumas semanas depois do tratamento, é normal que aconteça e não significa que o tratamento tenha sido ineficaz.

 Todas as roupas, em especial, roupa interior e de dormir, roupas de cama e toalhas que estiveram em contato com a pele da pessoa infetada nas últimas 48 horas antes do tratamento devem ser lavadas na máquina com água quente e detergente, e secas na maquina de secar roupa ou passadas a ferro. Todos os objetos que não podem ser lavados, devem ser bem fechados em sacos plásticos durante 14 dias antes de serem usados novamente. Esta medida provocará a morte dos ácaros.  Carpetes, tapetes, e móveis estofados devem ser limpos cuidadosamente com aspirador de pó.

As medidas preventivas passam por evitar o contato pele com pele com pessoas infetadas bem como não compartilhar vestuário ou roupa de cama.

Em caso de dúvidas sobre escabiose ou sarna devem ser contatados os serviços de saúde.

Dr. João Martins de Sousa
Delegado de Saúde de Lagoa
(Artigo publicado na edição impressa de janeiro de 2018)

Categorias: Espaço saúde, Opinião, Saude

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*