Açores são uma referência internacional na utilização das energias renováveis e endógenas

A Diretora Regional da Energia destacou, esta quarta-feira, dia 13 de dezembro, em S. Pedro do Sul, os resultados concretos alcançados nos últimos anos nos Açores ao nível da utilização das energias renováveis e endógenas, que fazem com que a Região seja uma referência internacional nesta área.

Andreia Carreiro, que falava no seminário internacional ‘Energia Geotérmica – Uma Aposta no Futuro’, salientou que a geotermia representou “cerca de 58% da produção de energia limpa em 2016, esperando-se que chegue aos 61% em 2018”.

Segundo o executivo regional, em 2016, a produção de energia a partir de recursos geotérmicos representou cerca de 44% dos consumos elétricos da ilha de São Miguel e cerca de 19% do total da eletricidade produzida nos Açores.

“Prevê-se que a geotermia tenha um aumento de representação de 7,5 pontos percentuais em 2018 no panorama global da produção de energia elétrica nos Açores, valor que se deve, em parte, à central do Pico Alto, na ilha Terceira, recentemente inaugurada”, frisou a Diretora Regional.

Na sua intervenção, adiantou que esta central deverá assegurar 14% das necessidades elétricas da ilha Terceira em 2018, “contribuindo para o aumento da produção, a partir de fontes renováveis e endógenas, de 22% registados em 2016 para quase 40% no próximo ano”.

“A energia geotérmica é, para a Região, um dos investimentos mais estratégicos e estruturantes, tendo um papel cada vez mais preponderante no mercado açoriano de energia”, frisou Andreia Carreiro, lembrando as múltiplas utilizações possíveis para esta fonte de energia, tendo em conta a geotermia de baixa entalpia que está disponível nos Açores.

“Este é um propósito relevante para o arquipélago, porque permite utilizações em diferentes setores, por exemplo, a climatização de edifícios, incluindo a produção de ar condicionado, o aquecimento de estufas na agricultura e no setor do turismo, nomeadamente o desenvolvimento de infraestruturas termais”, afirmou.

Andreia Carreiro assegurou que o Governo Regional vai continuar a “realizar pesquisas para valorizar o potencial endógeno aplicado aos diversos setores prioritários, promovendo a inovação e a competitividade dos Açores”.

“A participação do Governo dos Açores em iniciativas deste cariz é imprescindível porque permite, não só dar conta do que tem sido feito nos Açores nos últimos anos neste domínio, bem como potenciar a partilha de experiências e a absorção de conhecimentos sobre energia geotérmica, com entidades nacionais e internacionais”, afirmou.

“Esta é uma forma fulcral de fomentar o processo de aprendizagem dos Açores, no que diz respeito ao aprofundamento dos conhecimentos em termos do aproveitamento das energias limpas e endógenas do arquipélago, promovendo uma região sustentável”, frisou a Diretora Regional.

DL/Gacs

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*