Conselho Local de Educação reclama melhores infraestruturas na Ribeira Grande

A sobrelotação da escola secundária da Ribeira Grande e a necessidade de realização de obras de beneficiação na escola básica Ruy Galvão de Carvalho, em Rabo de Peixe, foram algumas das preocupações debatidas no Conselho Local de Educação.

“As preocupações dos pais, encarregados de educação e até mesmo dos professores são-nos transmitidas quase diariamente”, revelou Alexandre Gaudêncio, presidente da Câmara da Ribeira Grande que foi o porta-voz da reunião para a comunicação social.

Segundo uma nota enviada à nossa redação, o autarca deixou claro que “o problema de sobrelotação na escola secundária da Ribeira Grande é uma realidade da qual o governo regional não se pode demarcar nem pode protelar uma decisão”.

Alexandre Gaudêncio apelou ao executivo de Vasco Cordeiro para que “encontre rapidamente uma solução que vá ao encontro das lacunas há muito identificadas, rejeitada que foi a possibilidade de se rentabilizar as salas disponíveis na antiga escola Gaspar Fructuoso”, lembrou.

“A escola secundária apresenta muitos problemas de infiltrações que estão relacionados, sobretudo, com a antiguidade da mesma. As telhas de amianto também são uma preocupação, situação que é do conhecimento da direção regional da Educação”, reiterou o edil ribeiragrandense.

Lamentou que “o governo regional tenha conhecimento do exposto e nada faça para salvaguardar a segurança de todos os que diariamente frequentam aquele estabelecimento de ensino”, frisando que “a desadequação entre o número de turmas e o número de salas já obrigou o conselho executivo a adaptar espaços comuns – como a cantina – para sala de aulas”.

A este propósito, o autarca relembrou que “a direção regional da Edução comprometeu-se, perante a escola, em disponibilizar duas salas (contentores) durante o mês de novembro, mas até à data o prometido ainda não chegou.”

No que respeita à escola básica Ruy Galvão de Carvalho, em Rabo de Peixe, o edil deu voz às reivindicações apresentadas no Conselho Local de Educação. “Neste caso, a prioridade é a construção de uma nova escola, na medida em que as infraestruturas atuais já não respondem às exigências pedagógicas.”

“A construção de uma nova escola em Rabo de Peixe tem sido uma promessa sucessivamente adiada pelo governo regional. Já foi inscrita em anteriores planos mas nunca chegou a ser lançada. As crianças daquela vila merecem mais e melhores condições”, realçou Alexandre Gaudêncio.

Ficou também registada a “preocupação da existência de telhas de amianto no edifício, extremamente prejudiciais à saúde daqueles que o frequentam, bem como o elevado estado de degradação dos espaços envolventes.”

DL/CMRG

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*