“Fazer sempre mais e melhor é sermos capazes de definir uma nova ambição”

O Vice-Presidente do Governo afirmou esta segunda-feira, dia 27 de novembro, na Horta, que, com o propósito de melhorar a vida dos Açorianos, “é sempre, e será sempre possível, fazer mais e melhor”, defendendo que isso significa nunca ficar “totalmente satisfeito com os resultados alcançados”, ainda que positivos, e ser capaz de definir, “claramente, uma nova ambição”.

Sérgio Ávila na intervenção que proferiu, na Assembleia Legislativa, na abertura do debate das propostas de Plano e Orçamento para 2018, frisou que a ambição do Governo Regional é a de iniciar “um novo ciclo de desenvolvimento dos Açores”.

Segundo o executivo regional, a definição de um novo ciclo de desenvolvimento da Região é, segundo Sérgio Ávila, “um sinal de ambição, de determinação”, mas, essencialmente, uma exigência a que o Executivo se impõe “para respeitar e reforçar a confiança que os Açorianos depositam” no Governo Regional.

Para o Vice-Presidente, trata-se de uma “confiança que, naturalmente, também resulta do trabalho feito e dos resultados conseguidos”, designadamente através das medidas de combate ao desemprego e de incentivo à criação de emprego.

A este propósito, Sérgio Ávila afirmou que os dados recentemente revelados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, “destroem três mitos que alguns tentaram progressivamente criar para desmerecer a trajetória consistente de criação de emprego e redução do desemprego”.

O primeiro mito, referiu, pretende “que a redução do desemprego assentava em programas ocupacionais” quando, esclareceu, conforme o INE, “hoje existem nos Açores mais 13.358 Açorianos empregados do que em março de 2014, e, de acordo com o IEFP -Instituto de Emprego e Formação Profissional, hoje existem nos Açores apenas mais 320 Açorianos ocupados do que em março de 2014”.

Quanto ao segundo mito, de que a redução do desemprego derivava da emigração, da redução da população e da desistência da procura de emprego, Sérgio Ávila sublinhou que, segundo o INE, “a população ativa – os Açorianos que estão no mercado de trabalho e procuram emprego -, é a mais elevada dos últimos 12 anos”.

Sobre o terceiro mito, de que apenas o setor do turismo está a criar emprego, o Vice-Presidente destacou que o crescimento do emprego se verifica “em todos os setores de atividade económica no último ano, sendo que no setor primário o emprego cresceu 18,1% e no secundário 5,5%”, de acordo com a mesma fonte.

Sérgio Ávila frisou, por isso, que “a trajetória de criação de emprego e redução de desemprego não pode ser, de maneira nenhuma, justificada pela variação dos Açorianos ocupados, pela emigração, pela redução da população ativa ou pelo crescimento isolado de um setor de atividade económica”.

Atualmente, salientou Sérgio Ávila, há mais 13.358 Açorianos empregados do que há três anos e menos de metade dos desempregados que existiam, a taxa de desemprego é a mais baixa dos últimos seis anos e há nove anos que não existiam tantos Açorianos empregados.

O Vice-Presidente salientou ainda os indicadores e dados que comprovam a “retoma do crescimento económico e a criação de emprego”, após a implementação, a partir de 2013, da Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial, com o objetivo de contrariar os efeitos da recessão.

Entre 2011 e 2013, a economia açoriana registou uma retração acentuada, em 2014 começou a inverter essa tendência, com um crescimento económico de 0,7%, que subiu para 1,7% em 2015.

Esta realidade, destacou Sérgio Ávila, “foi reforçada no último ano, tendo o crescimento aumentado para 2,1%, o que evidencia a sustentabilidade da retoma económica que os Açores empreenderam”.

Atualmente, afirmou o Vice-Presidente, todos os indicadores de produção, rendimento e consumo confirmam que, este ano, verifica-se uma nova aceleração do crescimento económico, com o Indicador de Atividade Económica a registar um novo crescimento – de 2,6% – em setembro.

Ao nível do crescimento do consumo privado, reflexo do aumento do rendimento disponível, o Índice Mensal de Vendas de Produtos Alimentares no Comércio a Retalho registou uma nova subida de 3,2% em outubro, os levantamentos em Multibanco de 3,5% nos primeiros 10 meses deste ano e a venda de automóveis novos 19% no último trimestre.

Quanto aos indicadores de produção, Sérgio Ávila destacou o aumento significativo do consumo de energia elétrica pela indústria, (+4,4% em outubro), o aumento dos proveitos do turismo, (+25% até setembro), e a retoma do setor da construção civil, com o consumo de cimento a aumentar (+32%) no terceiro trimestre deste ano.

Sérgio Ávila reafirmou, contudo, que “não há nenhum resultado” ou indicador positivo que “faça diminuir o ímpeto de fazer muito mais e melhor” por parte do Governo dos Açores, garantindo que o que até agora foi conseguido “constitui apenas uma motivação” para reforçar “o esforço no sentido de melhorar ainda mais todos os indicadores”.

DL/Gacs

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*