Livro “Santa Cruz: filhos e servos” apresentado na Igreja Matriz de Lagoa

“Santa Cruz: filhos e servos” foi o livro lançado no passado dia 19 de novembro, na Igreja Matriz de Lagoa.  Da autoria do Jovem  escritor Júlio Tavares Oliveira, que já conta com dois livros publicados – “Versos Experimentados”, Chiado Editora, 2015, e “O que não ficou por dizer”, Chiado Editora, 2016 -, que lançou agora este novo livro, com prefácio da Prof. Doutora Susana Goulart Costa, professora universitária, e notas introdutórias da Dra. Joana Simas, do padre Nuno Maiato e do padre João da Ponte.

O livro é, segundo Júlio Tavares Oliveira, “um estudo biográfico e de certa forma intimista sobre o clero natural de Santa Cruz e que serviu em Santa Cruz do séc. XVI aos dias de hoje”.

Segundo o Pe. Nuno Maiato, a ideia de editar este livro, surge na sequência de uma coleção de fotografias que a Igreja de Santa Cruz tem, que o Pe. José Francisco Pires reuniu quando foi pároco nesta freguesia. “Esta coleção despertou a vontade de reunir mais informação acerca de cada um dos párocos e dos filhos de Santa Cruz. Uma comunidade que foi dando à Igreja, durante os séculos, alguns dos seus filhos para servir a Igreja como sacerdotes”, referiu.

Em declarações ao Jornal Diário da Lagoa, o Pe. Nuno Maiato diz que viu no jovem escritor, Júlio Tavares Oliveira, a pessoa indicada e que seria capaz de fazer este trabalho de recolha.

“Sinto-me feliz porque, de facto, sem ser a sua área, o Júlio conseguiu desenvolver um trabalho que é um digno registo de uma parte da história da paróquia que fica para sempre. Pelo menos há um registo que permite, a todos aqueles que quiserem, conhecer ou estudar a dimensão da vida sacerdotal da Matriz da Lagoa, poderão fazê-lo a partir desta obra”, disse.

O Pe. Nuno Maiato adianta ainda que com esta obra, há uma dupla missão: “primeiro é lançada na semana dos seminários, e aqui a obra serve de instrumento para o apelo, em nome de Jesus, à vocação sacerdotal. O segundo aspeto, é que, através deste livro, podemos ver que a história da Igreja não se faz apenas com os sacerdotes, mais e mais fácil reunir a informações dos sacerdotes, e através desta recolha e compilação, conhecer, porque é interessante ver a ligação familiar que existe entre eles, as paróquias onde trabalharam, a sua origem, há vários dados biográficos que nos ajudam a perceber e a caraterizar a história desta paróquia”.

Adianta o pároco de Santa Cruz que, desde o séc. XVI à atualidade, a Igreja esteve ao serviço de forma diferente, com uma matriz comum a todos os tempos, mas a quantidade de Cléricos que estiveram em simultâneo em diversas épocas da história em simultâneo, e hoje ser apenas um, demonstra também um pouco aquilo que é a história da Igreja.

DL

Categorias: Cultura, Local

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*