Vitor Hugo Forjaz diz-se despejado pela Universidade dos Açores

Victor Hugo Forjaz, de 77 anos de idade, único Catedrático de Vulcanologia das universidades portuguesas, Académico Emérito da Academia de Marinha, Académico Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa, Comendador da Ordem do Infante  por mérito e inovação, principal fundador do projeto geotérmico dos Açores  e da rede de vigilância sismo vulcânica  do arquipélago, foi subitamente despejado do gabinete que há dezenas de anos ocupava no departamento de geociências da Universidade dos Açores, em Ponta Delgada, revela uma nota à qual tivemos acesso.

Segundo o próprio, com validação reitoral e do Conselho Geral, o órgão máximo da Universidade, todos  os seus pertences — livros  científicos, livros raros, mapas  antigos valiosos, artigos científicos em redação, temas de conferências  e reuniões internacionais, amostras geológicas de expedições pelo mundo, equipamentos pessoais, correspondência privada,etc, etc…, tudo foi encaixotado e levado para parte incerta.

O Professor adianta ainda que não quer voltar ao gabinete de Catedrático que sempre legalmente ocupou, desde a inauguração do Complexo Científico em janeiro de 2001, mas exige recuperar tudo o que lhe pertence, nomeadamente o que escreve sobre sismicidade e vulcanismo do arquipélago. O especialista em vulcanologia, o mais antigo e academicamente mais graduado  dos Açores ,  seguirá os trâmites legais  de modo a reaver a sua documentação , importante para as entidades oficiais da Região. 

Refira-se que, ao que foi possível apurar, mediante correspondência trocada entre a UAc e o Professor Catedrático, datada de 20 de setembro, esta, dando cumprimento à reestruturação orgânica da Universidade e da redistribuição de espaços para reinstalação dos docentes, informou que o gabinete ocupado por Vitor Hugo Forjaz, continha documentação que seria do interesse do próprio, solicitando o seu levantamento até dia 27 do mesmo mês, o qual não foi feito, sendo que a UAc tomou a iniciativa de remover todo o espólio para outro local à guarda da mesma.

Entre a troca de correspondência, continuou o Professor Catedrático, solicitando “ser tratado com o devido respeito”, e tendo em conta o seu “estado de saúde cardiológico”. Na mesma missiva, Vitor Hugo Forjaz pede ainda “diálogo e um prazo de retirada viável de todo o espólio”. 

Já em correspondência datada de 20 de novembro, o Professor catedrático volta a solicitar, à UAc, informações onde se encontra todo a material, para que possa ser inventariado e levantado.

De realçar que Vitor Hugo Forjaz aposentou-se em novembro de 2010. 

DL

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*