Faleceu João Silvério Sousa

Foi com tristeza que recebemos a notícia do falecimento do nosso colaborador João Silvério Sousa, vitima de doença.

Autor de várias poesias publicadas no Jornal Diário da Lagoa entre fevereiro de 2015 e agosto de 2017, João Silvério Sousa “cultivou a nobre arte de versar com a rima intrometida“, assim escrevia em julho deste ano, Júlio Tavares Oliveira, sobre este poeta popular.

“Este nasceu na freguesia de Santa Cruz, no dia 7 de dezembro de 1952, sendo filho de António de Sousa Carroça e de Diamantina do Espírito Santo Almeida.

Com os estudos feitos – obtendo a quarta classe -, optou, mais tarde, já em idade adulta, por emigrar para o estrangeiro, permanecendo 14 anos nos Estados Unidos e 6 anos no Canadá.

Regressando à sua ilha natal, São Miguel, fixa-se na sua freguesia de origem, Santa Cruz, à qual dedicou os seus dois livros já publicados: “Elogios a Santa Cruz”, em 2011, e “Homenagem a António Augusto da Ponte Borges”, publicado em 2014, pela Junta de Freguesia de Santa Cruz”.

Deixamos esta singela homenagem a quem ficará para sempre ligado a este projeto.

À família enlutada apresentamos os nossos sinceros pêsamos.

O corpo estará em câmara ardente até às 24h00 desta segunda feira, dia 23 de outubro, na morgue do Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada. Quarta-feira, dia 25 de outubro, o seu corpo estará na Igreja Evangélica, em Santa Cruz, entre as 09h00 e as 16h00, altura em que se realizará o respetivo funeral.

Recordamos um dos seus poemas escritos para o Jornal Diário da Lagoa.

“O avô e o netinho”

Avô porque choras?
Choro pela vida que vivi,
Por tantas coisas que perdi
Mas se pudesse voltar atrás,
Não esqueceria jamais
Tudo aquilo que esqueci.
As lágrimas de um velhinho
Muito fraco, já cansado
Tão triste e amargurado,
Percorrendo seu caminho,
Agora velho e abandonado
Sem família e sem carinho.

Avô, avô tens me a mim!
Jamais te deixarei,
És o avô que Deus me deu
Tens aqui o teu netinho,
Ajudar-te-ei no caminho
Eu sou grande amigo teu.
Tua filha minha mãe
Que Deus para o céu levou,
Mas teu neto aqui ficou,
Para te dar amor mesmo sozinho
E te ajudar no caminho
Que Deus para o avô preparou.

Poema da autoria de João Silvério Sousa
(Poema na edição impressa de março de 2015)

Categorias: Local, Necrologia

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*