Os videojogos ao serviço da educação e promoção do desenvolvimento dos alunos

A Escola Secundária de Lagoa (ESL) está a participar no Projeto Level, no âmbito do programa Erasmus +, intitulado Cooperation for innovation and Exchange of Good Practices, numa cooperação com diversas instituições, nomeadamente da Escócia, Grécia, Alemanha e Portugal.

Nesse âmbito, a ESL acolheu, esta sexta-feira, dia 6 de outubro, uma palestra sobre o papel dos videojogos na educação, ao serviço da prática letiva e promoção do desenvolvimento dos alunos, onde participaram vários especialistas dessa área.

Para o professor da ESL e coordenador do projeto, João Freitas, o balanço da palestra é positivo, apesar de considerar que o mesmo será feito, daqui a uns quatro ou cinco anos. Efetivamente, a palestra sobre os videojogos teve oradores de vários países europeus, pessoas que estão dentro da industria, têm experiência e puderam transmiti-la aos alunos, docentes e interessados das várias escolas que participaram da ilha de São Miguel.

“Eu não sou professor de informática e uso os videojogos na educação, portanto, não são só os professores de informática, são os professores de história, de matemática, de artes. São todos os professores que, pontualmente, é uma alternativa de usar uma atividade que nós sabemos que é extremamente motivante”, afirmou João Freitas, acreditando que o conceito, inovador, de utilizar uma imagem interativa na educação pode ser uma mais valia, principalmente para motivar e cativa o aluno.

Segundo João Freitas, esta palestra serve para influenciar professores e alunos, para que, num futuro próximo, haja cada vez mais pessoas a trabalhar nesta área, que envolve muitas profissões, nomeadamente: programação, designers, engenheiros, escritores e artistas.

“Nós estamos numa altura, em que as tecnologias são fundamentais, onde é possível uma pessoa criar um produto em qualquer lado e vendê-lo no outro lado do mundo”, explicou o professor ao Jornal Diário da Lagoa, salientando que uma aplicação, um videojogo, não sofre com a insularidade, nem tem custos adicionais, podendo ser vendido em qualquer parte do planeta.

Para o presidente do Conselho Executivo da Escola Secundária de Lagoa, Alexandre Oliveira, o programa Erasmus +, permite lidar com outras realidades, numa interação entre diversas nacionalidades, que fomentam novas experiências, em termos de contatos e de desenvolvimento.

Relativamente à importância dos videojogos na educação, Alexandre Oliveira, considera ser uma área de futuro, permitindo utilizar os mesmos, mas principalmente desenvolver e cria-los.

No que diz respeito a este tema, o interesse dos alunos é grande, nomeadamente pela curiosidade de saber como podem chegar ao produto final e perceberem que toda a envolvência está ao alcance deles.

“Estas tecnologias também são importantes para o ensino, porque nós não podemos dizer que só os computadores são importantes, que só os videojogos são importantes, nós queremos é promover todo um conjunto de experiências, de possibilidades, que os ajudem a abrir os seus horizontes”, referiu o presidente do Conselho Executivo considerando que esta, também, é, mais uma área importante para os alunos da ESL.

Por outro lado, os artistas e a história regional, podem servir de inspiração para criar aventuras para os videojogos, podendo ser uma forma de divulgar e publicitar os Açores para o mundo, vendendo a imagem e cultura açoriana através de um videojogo.

DL/AS

Categorias: Educação, Local, Tecnologia

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*