“Copernicus aumenta a segurança dos açorianos”

Esta semana decorre, em Bruxelas, um ciclo de conferências sobre o Copernicus, um sistema europeu que utiliza uma rede de satélites dedicada, que interligada com estações de monitorização terrestre e com centros de pesquisa, recolhe e disponibiliza um vasto leque de informação, alguma em tempo real, acerca dos oceanos, terra e ar.

Segundo uma nota enviada à nossa redação, com uma base de dados dividida em seis categorias: monitorização da atmosfera; monitorização do ambiente marinho; monitorização da terra, mudanças climáticas, gestão de emergências e segurança; o sistema constitui-se como uma espécie de “olhos da Europa no planeta”, fornecendo um volume sem precedentes de informação em regime de dados abertos e livres. A comunidade cientifica mas também empreendedores, pescadores, agricultores e forças de segurança são os principais utilizadores directos deste serviço.

O eurodeputado Ricardo Serrão Santos interveio na sessão de abertura do evento e coordenou os debates de uma sessão que organizou no PE, onde Francisco Wallenstein, vogal da estrutura de Missão para o Espaço criada pelo Governo regional dos Açores também esteve presente. Na ocasião o eurodeputado realçou a importância deste projecto para os Açores e as Regiões Ultraperiféricas em geral, “Os Açores estão longe da Europa continental, isolados, e vulneráveis a mudanças externas. Nas Regiões Ultraperiféricas, a observação do oceano é uma questão crucial em termos de gestão de riscos”, justificou exemplificando com os recentes acontecimentos em Guadalupe e Martinica, Regiões Ultraperiféricas francesas, “ainda estamos chocados com o resultado mais recente de eventos climáticos extremos que não tiveram piedade de destruir Guadalupe e Martinica”. Para o deputado europeu “usando observações por satélite, podémos prever a magnitude e modelar a longa rota de Irma e Maria através do Atlântico, contribuindo assim para mitigar as perdas de vidas, e por esta via para a segurança das populações insulares. Não podemos evitar as catástrofes mas podemos planear melhor a proteção das populações.”

A finalizar, Serrão Santos, elogiou a iniciativa “a União Europeia tem feito um ótimo trabalho, construindo e assegurando que o sistema Copernicus é funcional e eficiente, e no qual a RAA se integra através da sua Estrutura de Missão para o Espaço”. A observação do espaço é uma realidade presente e em desenvolvimento nos Açores.” Porém, questionou a notoriedade do sistema, “será que os cidadãos europeus estão cientes da sua existência?”, e deixou um repto “qualquer interessado deve poder conhecer da complexidade científica, o avanço tecnológico e da importância desse instrumento como ferramenta de apoio à decisão”

DL/GDPE

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*