“PSD ataca Partido Socialista para tentar negar opção de desmantelar a SATA Internacional”

“A vontade e a opção do PSD, desde o início, foi de apostar exclusivamente na SATA Air Açores em detrimento da SATA Internacional”, afirma Francisco César, apresentando aos jornalistas algumas provas dessa intenção: “A primeira prova está no programa de governo do PSD, que diz claramente que a opção do PSD é exclusivamente para o mercado doméstico e, se possível até, arranjar empresas estrangeiras para voar entre os Açores e a Diáspora, concentrando a SATA apenas a sua operação na rede doméstica, ou seja, no interilhas e para o continente”.

“Não é possível que o PSD venha aqui dizer exatamente o contrário do que diz no seu programa do Governo e do que disse numa carta – que se não fosse o Presidente do Governo a pedir autorização para a divulgar ninguém saberia”, disse Francisco César aos jornalistas, esta quarta-feira, dia 6 de setembro, em resposta às declarações que Duarte Freitas prestou à margem do debate sobre a SATA.

Segundo uma nota enviada à nossa redação, Francisco César lamenta que Duarte Freitas não esteja interessado em ajudar a SATA, mas sim em adequar o seu discurso às circunstâncias: “Não é a melhor forma de ajudar a SATA ter dois discursos. Ter um discurso para quando se fala com o Partido Socialista, com o Governo e quando se enviam cartas para o Governo com um determinado conteúdo e depois, quando revelado o conteúdo dessa mesma carta, vir aqui à Comunicação Social fazer um discurso exatamente contrário”.

“O PSD demonstrou incómodo por ter sido descoberto naquilo que era uma opção, que é ter como prioridade exclusivamente a SATA Air Azores, deixando a SATA internacional quase numa posição de desmantelamento”. Para o GPPS Açores esta solução também defendida em comunicado divulgado há poucas semanas pelos social democratas, passa por “privar a SATA de uma das suas principais funções, que é o apoio e a ligação dos Açores às nossas comunidades”.

Francisco César lembrou ainda aos jornalistas que o líder do PSD defendeu também uma intervenção na SATA que fosse autorizada e regulada por Bruxelas, o que o PS rejeita porque “todos nós sabemos que isso significa uma enorme reestruturação, provavelmente com muitos despedimentos e que seja alguém que não os açorianos, Bruxelas, neste caso, a ditar como é que a reestruturação da SATA deve ser feita”.

DL/GPPS

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*