Festas de Santo António são marca da freguesia de Santa Cruz

De 8 a 13 de junho a freguesia de Santa Cruz volta a receber as Festas de Santo António. Já com 25 anos de existência, estas já são um marco das festas populares da ilha.

Com a organização da Junta de Freguesia de Santa Cruz, anualmente são milhares de pessoas que se deslocam até à cidade de Lagoa para presenciar, essencialmente, as Marchas de Santo António.

Em fim de mandato, Adriana Rebelo, a presidente da junta de freguesia, falou ao Diário da Lagoa, sobre como foi realizar, nos últimos três anos, as festividades.

“As festas de Santo António foram momentos únicos na minha experiência enquanto autarca. Cada ano novo da minha vida nos últimos anos foi também o início da preparação de uma nova edição das festas de Santo António. Todas elas foram marcantes: a edição de 2014 porque foi a primeira que a atual junta organizou; a de 2016 porque foi a edição especial comemorativa dos 25º aniversário; mas a que está sempre mais presente em nós é aquela que está para vir. Acredito que a edição deste ano – por ser a última a ser coordenada por mim – será provavelmente a que irei lembrar com mais saudade”.

Segundo a autarca, “as festas são um legado que recebi e que mantive da forma como se deve manter um legado: fazer as inovações desejáveis e possíveis sem desvirtuar a essência que esteve na sua origem e se perpetua ano após ano. Nunca tive o sentimento de propriedade sobre as festas nem terei depois de terminar o meu mandato. Aliás, o sucesso das festas residem no facto delas serem as festas de toda a freguesia e de todos os fregueses sem nenhuma distinção. Posso até dizer que estou convicta de que quem vier depois de mim tentará e conseguirá fazer mais e melhor porque, além de vir a ter mais recursos, terá também uma nova frescura que as novas ideias sempre trazem consigo”.

Nesta mensagem, Adriana Rebelo deixa uma palavra aos seus fregueses, e a todos os lagoenses. “Em nome da junta de freguesia de Santa Cruz, deixo uma palavra de gratidão pela forma apaixonada como se empenharam na construção do sucesso que são as Festas de Santo António. Com tão pouco, fez-se tanto! Da minha parte, apesar dos muitos erros que cometi, fui sempre fiel ao que para mim era essencial. Em primeiro lugar usar os recursos de forma equilibrada sabendo que os meus fregueses vivem em Santa Cruz não só durante a semana das festas, mas durante todas as 52 semanas do ano e que a junta tem que estar com eles e com as suas necessidades todas e cada uma dessas semanas. Em segundo lugar nunca politizar as festas de forma a torná-las um palco para disputas partidárias ou seleccionar os colaboradores ou participantes com base na sua cor partidária ou outra forma de distinção qualquer. Por último, preferir, sempre que possível, o trabalho voluntário em detrimento de determinadas máquinas organizadas de produzir eventos. Esta forma popular de nos organizarmos pode, por vezes, não ser tão eficiente, mas garante a pureza da marca “made in Lagoa” e a alegria contagiante que todos reconhecem à hospitalidade do nosso povo”.

“Penso que os santacruzenses e todos os lagoenses perceberam e sentiram bem esta maneira de estar da junta de freguesia ao longo do mandato e por isso retribuíram de forma tão generosa. No final das próximas festas, como não terei que pensar na edição seguinte, vou ter mais disponibilidade para transmitir aos lagoenses tantas e tantas expressões de reconhecimento e admiração que recebi das pessoas que nos visitaram e foram presenteados com a belíssima montra do que somos como povo que são as Festas de Santo António da Lagoa”.

DL

Categorias: Local

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*