Azores Aquarium no Porto de Ponta Delgada debatido no parlamento

Subiu ao plenário de abril, na Assembleia Legislativa dos Açores, a petição “Contra a Construção do Azores Aquarium no Porto de Ponta Delgada”, cujo primeiro signatário é José Manuel Neto Azevedo.

O PSD Açores diz estar ao lado dos peticionários, mencionando três fundamentos essenciais para a sua oposição ao projeto de construção do Azores Aquarium.

Numa primeira fase estão os aspetos urbanísticos, destacando o facto de não serem cometidos erros e atentados à cidade como já aconteceu anteriormente. “Dar voz e escutar a sociedade nesta matéria é seguramente relevante e, esta petição corresponde a este objetivo”, disse António Viveiros.

Referiu ainda o parlamentar que a construção do projeto que publicamente foi apresentado pelos promotores do Azores Aquarium, quer pela sua localização, quer pela sua dimensão e volumetria, é claramente um atentado urbanístico à cidade de Ponta Delgada. O empreendimento teria dois mil metros quadrados de implantação, três mil e quinhentos metros quadrados de construção e 16 metros de altura”.

Como 2º fundamento, o PSD fala da vocação reconhecida como destino de natureza como marca determinante da oferta turística dos Açores. Acresce que este destino tem o mar como uma das suas mais valias. “Considerar um aquário como tendo enquadramento num destino de natureza será, no mínimo, prestar um mau serviço ao sucesso do turismo dos Açores”.

Como 3ª fundamento são apresentados os aspetos económicos e financeiros, onde que as entidades governativas e o poder local apoiem, facilitem e criem as condições para a promoção do investimento privado. “Sem investimento privado não há crescimento económico e não há criação de emprego de que tanto necessitamos. Mas também é essencial, em determinadas situações, ter a coragem e a determinação de não apoiar investimentos cujos impactos são manifestamente negativos e duvidosos”.

Vasco Viveiros considera ainda que “este assunto há muito poderia ter sido encerrado, bastando que o Governo Regional, de forma inequívoca, determinada e simples, tivesse declarado que um “Aquário” em geral e nestas dimensões, não tem enquadramento no que é o conceito de “Destino de Natureza” ou de destino certificado pela natureza que caracteriza as nossas ilhas. E sem enquadramento não deve haver comparticipação no investimento”.

Os 573 subscritores da petição que contesta a construção do Azores Aquarium no porto de Ponta Delgada consideram que o projeto daquele parque temático, no valor estimado de 15,5 milhões de euros, apresenta um “volume de demasiada altura, plasticamente muito pouco interessante, desenquadrado da envolvente, agressivo na sua contextualização e de construção muito exigente”.

O investimento, de um grupo financeiro internacional, prevê a construção de aquários, oceanário, restaurante submarino, centro interpretativo, laboratório de investigação, centro de mergulho, outro de recuperação de espécies e espaço de natação terapêutica, entre outras valências.

DL

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*