CDU contra incineradora na ilha de São Miguel

unnamed (7)

Aníbal Cabral, Coordenador Regional da CDU, apresentou, esta sexta-feira, dia 3 de março, em Ponta Delgada, uma declaração sobre o projecto de construção de uma incineradora de resíduos em São Miguel.

A Coordenadora de São Miguel da CDU (PCP-PEV) manifesta a sua “oposição à construção duma incineradora de resíduos sólidos urbanos na ilha de São Miguel” e critica as opções “erradas que têm sido levadas até ao momento neste processo”.

Segundo a CDU, a construção de uma incineradora poria em causa aspectos “tão importantes como a saúde, o ambiente e a economia, constituindo um grave retrocesso na política pública de gestão dos resíduos e na educação ambiental”.

Assim sendo, a incineradora anularia, qualquer esforço ou tentativa de aumentar a taxa de reciclagem dos resíduos, pois isto iria num caminho oposto aos seus interesses e às suas necessidades de funcionamento.

Para a CDU, existem alternativas à incineração, sendo que o partido politico está disposto a trabalhar na sua rápida implementação considerando as próximas metas europeias.

Por outro lado, ficam também, por parte da CDU,  grandes dúvidas sobre a rentabilidade da produção eléctrica da incineradora. “A geração de energia estará fortemente afectada pelo elevado teor de humidade e o baixo poder calorífico dos lixos produzidos na região, podendo ser preciso queimar, juntamente com o lixo, até 30% em volume de biomassa florestal, de fuelóleo ou de outros resíduos de alto poder calorífico,como por exemplo papel e plásticos, que deixariam assim de ser reciclados”, sublinha a declaração da CDU.

Para a CDU, a melhor estratégia de gestão dos resíduos sólidos urbanos é aquela que aposta no conceito de “Lixo Zero”, um modelo baseado em priorizar os dois primeiros passos da hierarquia de gestão de resíduos: Reduzir e Reutilizar.

Assim sendo, a matéria orgânica, que constitui 40% do lixo doméstico, é um valioso recurso para a produção de composto para a agricultura. Com o seu aproveitamento, “até agora desprezado”, seria possível evitar a massiva importação de adubos químicos, de que a região é neste momento dependente, e ao mesmo tempo permitiria solucionar quase a metade do problema do lixo.

Para a fracção de lixo restante, aquela que não foi objecto de recolha diferenciada, e na qual é ainda possível encontrar resíduos recicláveis, a CDU (PCP-PEV) considera uma boa solução a instalação na ilha duma central de tratamento mecânico e biológico (TMB), que é capaz de retirar do lixo e de reciclar mais da metade do seu volume, sendo que o tratamento mecânico permite retirar restos de papel, vidro, plástico e metais, enquanto o tratamento biológico permite aproveitar restos de matéria orgânica para produzir biogás e electricidade.

“O projecto actual de incineradora, cuja construção está orçada em 68 milhões de euros, tem um elevadíssimo custo para a região e para o país, sendo responsável pelo gasto de grande parte dos recursos regionais e dos fundos europeus destinados a estas políticas, que poderiam ser utilizados para pôr a funcionar modelos de gestão mais modernos e respeitosos com a saúde e o meio ambiente. A isto temos de somar cerca de 20 milhões de euros que seria o custo de construção duma central hídrica reversível, de todo imprescindível para a rentabilidade da incineradora, mas que neste momento não passa duma ideia sem concretização alguma”, considera a Coordenadora de São Miguel da CDU (PCP-PEV)

Finalmente, a CDU afirma que investimentos muito menores permitiriam pôr em marcha processos técnicos e educacionais de incentivo à reciclagem, também experimentados com sucesso noutros países – descontos para quem cumpre rigorosamente as boas práticas, máquinas que recolhem certo tipo de lixo devolvendo em troca algum dinheiro ou de outros incentivos.

Salientando ainda, que para além dos efeitos benéficos para o ambiente, esta é uma estratégia que poderá, por diversas vias, dinamizar a economia local, envolvendo não só a participação da população em geral, mas também a criação de diversas iniciativas economicamente sustentáveis para a reciclagem e a autêntica valorização do lixo produzido.

DL/CDU

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*