A Igreja açoriana está “mais lúcida”

Conego-Antonio-Rego

A Igreja nos Açores está “mais aberta, mais próxima e mais lúcida” disse o Cónego António Rego, esta tarde durante os trabalhos do 39º Conselho Presbiteral que termina esta sexta feira em Angra do Heroísmo.

“Vivemos momentos de grande complexidade na igreja mas também de grande verdade” disse o sacerdote que apelou aos presentes para “lerem os sinais do tempo e interpretarem esses sinais despertando para outras realidades”, mesmo que isso signifique uma saída das tradicionais zonas de conforto.

“O processo já está em marcha, não partem do zero”, sublinhou o sacerdote que voltou a falar aos conselheiros a propósito das tentações dos agentes pastorais a partir do texto da exortação apostólica do Papa Francisco.

Neste capítulo, o responsável pelos programas religiosos da TVI lembra “a atração pelo ilusório”, “o défice de espiritualidade”, “o individualismo”, “a valorização do que é menos bom”, “o desânimo” como algumas das tentações elencadas por António Rego que pediu “determinação” e “vontade” para garantir a continuidade do trabalho da Igreja. 

Aliás, refere António Rego “estamos perante um convite à igreja para continuar a fazer o seu trabalho” e, para isso, a igreja “tem de continuar a sua ação não apenas numa perspetiva caritativa mas de solidariedade que é de ombro para ombro”.

O ouvidor de Ponta Delgada e responsável pelo Serviço Diocesano de Apoio à Pastoral familiar e Laicado, Pe José Medeiros Constância, sublinhou a necessidade da igreja “recentrar” a sua ação num caminho “mais evangélico” porque assim “tornar-se-ia mais próxima mesmo correndo-se o risco de poder ser mais criticada e perseguida” devido à exposição.

O Conselho Pastoral termina amanhã ao final da manhã com a intervenção do Bispo de Angra e a apresentação das conclusões.

Portal da Diocese de Angra

Categorias: Religião

Deixe um comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*