PSD propõe suspensão da venda da antiga fábrica de álcool da Lagoa de modo a ser encontrada uma “solução viável”

Antiga Fabrica Alcool Lagoa Sinaga Açores_Jornal Diario da lagoa_ed-fev17

O grupo parlamentar do PSD/Açores propôs a suspensão, por um período de três anos, da venda das instalações da antiga Fábrica do Álcool da Lagoa, de modo a ser encontrada uma “solução viável” para este “inegável património” da ilha de São Miguel.

Segundo um projeto de resolução, que será agora analisado em comissão, “dependerá exclusivamente do governo regional encontrar uma solução que impeça a venda no mercado daquelas instalações”, dado que estas são propriedade da empresa de capitais públicos Sinaga.

De acordo com o deputado social-democrata António Vasco Viveiros, a própria Câmara Municipal da Lagoa “já manifestou o desejo de afetar aquele imóvel a um projeto de interesse municipal, abrangendo um museu, um polo de indústrias criativas e um mercado”.

No entanto, a autarquia reconheceu “terem sido infrutíferas as diligências desenvolvidas junto do governo regional dos Açores para encontrar uma solução compatível com aqueles propósitos”.

Os social-democratas pretendem, por isso, a “suspensão imediata”, por um período de três anos, da venda das instalações da antiga fábrica do álcool da Lagoa, “permitindo que a autarquia possa, conjuntamente com o governo regional dos Açores, encontrar uma solução viável para aquelas instalações”. “Durante aquele período, a autarquia, se entender conveniente, poderá elaborar um Plano de Pormenor que acautele, no futuro, uma utilização compatível com os valores culturais e arquitetónicos a preservar”, refere que o projeto de resolução.

Segundo António Vasco Viveiros, pretende-se desta forma que “seja encontrada uma solução alternativa que possa acolher os projetos que a autarquia tem para aquele imóvel ou outros de interesse público ainda mais abrangentes que possam surgir”.

Fabrica Alcool Lagoa Açroes

Recorde-se que as instalações da antiga fábrica do álcool da Lagoa foram colocadas à venda pela administração da empresa açucareira, Sinaga, através de uma imobiliária, pelo valor de 3,5 milhões de euros.

O assunto será agora analisado pela Comissão da Economia da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, que irá ouvir os envolvidos nesta matéria, no caso concreto a Sinaga, o governo e a autarquia.

Refira-se que o município de Lagoa já entregou ao governo regional um estudo, realizado por um grupo de trabalho, mas, da parte do executivo açoriano, não obteve ainda qualquer resposta.

Fonte da autarquia refere ao nosso jornal que adquirir a antiga fábrica está fora de questão, até porque o montante pelo qual a antiga fábrica está à venda é muito elevado, e a Câmara não tem capacidade de proceder à sua aquisição.

Por outro lado, refere a mesma fonte, a autarquia, enquanto entidade licenciadora, vai intervir e usar todos os meios ao seu alcance para garantir a preservação dos elementos históricos da fábrica. Para já, está a chaminé da fábrica, cujo processo de classificação, como de interesse municipal, ainda não está concluído.

Recorde-se que as instalações da antiga fábrica do álcool da Lagoa, construída em 1882, não labora há quase meio século.

DL

Categorias: Local

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*