Artistas estrangeiras encontram na ilha do Pico novo lar

MiratecAtrs Marjella Vermazeren e Anja Schmid Pico Montanha Festival

A associação MiratecArts congratula-se pelo apoio a artistas e por abraçar talentos estrangeiros até ao ponto de ficarem residentes nos Açores. Projetos como o Montanha Pico Festival incentivam a criação, na ilha do Pico. E criar é exactamente o que as artistas Marjella Vermazeren e Anja Schmid fazem com grande parte do seu tempo, na ilha que escolheram para viver.

Oriundas da Holanda e Alemanha, respectivamente, viver na ilha montanha tem muito a ver com a beleza natural e com as relações que formam com os locais. Os projetos da MiratecArts têm sido um grande contributo para ser feliz, no meio do oceano, admite Marjella. “Pico está a tornar-se num centro de criação artística conhecida internacionalmente,” admite a artista que agora já se fez acompanhar do seu parceiro Mart Jansen, também oriundo da Holanda e, juntos, lideram uma oficina e loja Barro & Barro na Ribeirinha do Pico. O casal oferece workshops de raku, entre outras experiências únicas na ilha. “Gostamos muito de trabalhar com a MiratecArts porque não só nos incentiva a criatividade, como também nos dá oportunidade de sermos vistos e ouvidos pela população em geral,” continua Marjella. “Conhecemos muitos mais artistas e amigos através da participação com a associação, não só locais mas também estrangeiros que visitam a ilha para partilhar sua arte.”

Formada em Design de móveis pela Faculdade de Belas Artes de Hamburg, Anja Schmid vive no Pico porque a natureza é uma constante inspiração. “Participo no Montanha Pico Festival porque é um projeto em que posso partilhar as minhas ideias, receber criticismo construtivo pelo meu trabalho, aprender e conhecer outros artistas,” diz a jovem alemã. “Esta partilha entre artistas é inspiradora tal como a ilha.”

Para o Montanha Pico Festival, as artistas apresentam trabalhos inspirados pela planta scabiosa. Os novos trabalhos vão ser integrados e promovidos com o Jardim Saudade, a abrir já na primavera. Trabalhos da Marjella, em barro, fazem parte do jardim e a bijutaria da Anja como complementares. Anja captou três estados da planta scabiosa com resina: sementes, folhas e finalmente a flor. Os produtos vão ser apresentados, pela primeira vez, na tarde de Chá na Casa da Montanha, domingo 29 de janeiro pelas 15h.

DL/MiratecArts

Categorias: Cultura

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*