Governo dos Açores prossegue investimento na área florestal

arborizacao-terreiro-da-macela-lagoa-joao-ponte-escola-secundaria-lagoa

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou que a floresta, para além da importância em termos ambientais, de desenvolvimento do território e de proteção da erosão dos solos, tem uma “área muito importante”, que é a transformação da madeira, a sua venda e exportação, destacando a importância da aposta nesta fileira.

João Ponte salientou que, nos últimos anos, se tem assistido a um número crescente de hectares abatidos, assegurando que vai prosseguir o esforço do Governo dos Açores tendo em vista “o aproveitamento económico da madeira, porque é uma fonte de riqueza e de criação de postos de trabalho”.

O Governo dos Açores tem feito um grande esforço de investimento na área florestal, de que é exemplo a plantação de 3,4 milhões de árvores entre 2012 e 2015, com grande destaque para as criptomérias, mas também para outras resinosas, folhosas, ornamentais e endémicas.

O Secretário Regional falava à margem de uma ação de sensibilização sobre arborização e promoção de boas práticas na gestão da floresta dos Açores.

A iniciativa, que decorreu na Reserva Florestal de Recreio da Macela, na Lagoa, e contou com a participação da turma de Gestão Ambiental do 11.º ano da Escola Secundária da Lagoa, consistiu na plantação de criptomérias numa área de pastagem.

Na ocasião, os técnicos dos Serviços Florestais prestaram também esclarecimentos sobre a importância da floresta na Região, na conservação dos recursos naturais e como fonte de rendimento, chamando a atenção para a necessidade de se fazer um acompanhamento técnico das matas, através de desbastes e podas, que promova a qualidade da madeira aquando do corte final.

Na ação que decorreu na Reserva Florestal da Macela foi explicado que, quando se planta uma mata, utiliza-se um número inicial de árvores muito superior àquele que se pretende obter no final do ciclo de vida, conseguindo-se, desta forma, que o solo fique coberto mais rapidamente e, ao longo dos anos, selecionam-se as árvores de melhor qualidade.

Os produtores florestais aproveitam a época do Natal para proceder aos desbastes das suas matas, contribuindo também para a manutenção da tradição de ter em casa uma árvore de Natal natural.

Como forma de garantir aos Açorianos que pretendam manter esta tradição que as árvores de Natal cortadas na Região são provenientes de uma operação de desbaste autorizada e necessária, desde 2010 que a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, através da Direção Regional dos Recursos Florestais, iniciou a campanha ‘Árvore de Natal Naturalmente Legal’.

Assim, todas as árvores de Natal colocadas à venda ou cedidas pelos Serviços Florestais a entidades públicas têm uma etiqueta, numerada e inviolável, garantia da sua proveniência.

Em média, têm sido etiquetadas cerca de 4.000 árvores por ano em toda a Região, registando-se nos últimos quatro anos um aumento sustentado de cerca de 30% na oferta das árvores de Natal etiquetadas.

DL/Gacs

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*