Tradição de “Concurso de Maios” mantém-se na Lagoa

Lagoa-Maios

A Câmara Municipal de Lagoa está a organizar novamente o Concurso de Maios, que estarão expostos no feriado de 1 de maio, entre as 09h00 e as 18h00, sendo avaliados pelo júri destacado para o efeito no decorrer desse dia.

Trata-se da 18ª edição do “Concurso de Maios”, que é já uma tradição no concelho de Lagoa e que, ano após ano, tem conseguido envolver diversas entidades, associações e particulares que insistem em preservar este costume.

Deste modo, encontram-se abertas as inscrições para este concurso, sendo que as mesmas deverão ser realizadas até ao próximo dia 29 de abril, na Casa da Cultura Carlos César através do telefone 296 960 600, ou ainda, através do endereço de correio eletrónico frederico-cml@mail.telepac.pt.

O regulamento deste concurso pode ser consultado no portal da autarquia lagoense em http://cm-lagoa.azoresdigital.pt/, havendo prémios para os três melhores maios que serão avaliados pelo júri, tendo em conta critérios como a originalidade e criatividade; estética e harmonia; cores, formas e materiais utilizados e mensagem subsequente ao maio.

Esta é uma tradição de incontestável expressão da cultura popular e ocupa um lugar de relevo na memória coletiva do povo, pelo que, este concurso pretende valorizar e manter viva a tradição dos maios entre a população lagoense para que não venha a ser apenas uma recordação dos mais antigos, mas sim uma realidade das novas gerações.

Os maios assumem-se como representações humanas, em tamanho natural, que demonstram atitudes humanas recreativas de cenas do quotidiano. São realizados pela população e expostos no feriado de 1 de maio, nas ruas, varandas, estradas e largos. Junto de cada boneco ou sobre o próprio, está, na maioria das vezes, colocada uma fala ou dizer, por vezes em forma de verso. Os bonecos, as cenas, os dizeres e as narrativas, quase sempre são revestidos de humor e têm, muitas vezes, um sentido crítico ou satírico, sendo habitualmente referentes à situação político-social que se vive no país, todavia, na maioria dos casos são apenas uma celebração saudável do quotidiano.

DL/CML

Categorias: Cultura

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*