Opinião: Osteoartrose representa 34 por cento das causas mais comuns de dor crónica

Artigo de opinião de Dr. José Canas da Silva, Diretor do Serviço de Reumatologia do Hospital Garcia de Orta, Almada

A dor é o principal sintoma que leva o doente a um reumatologista, sendo igualmente uma causa fundamental de perda de qualidade de vida do doente e da sua auto-estima e um fator importante de agravamento de qualquer outra doença de que sofra.

A causa mais frequente de dor crónica é a osteoartrose – representa 34 por cento das causas mais comuns identificadas pelos doentes, ou seja, é muito mais frequente a dor crónica por doença reumática do que, por exemplo, por cancro ou por outro tipo de situação.

No entanto, apesar da prevalência da dor, de acordo com o EPIDOR [Estudio Epidemiológico del Dolor en Reumatología en España], da Sociedade Espanhola de Reumatologia, que observou 1150 doentes reumáticos naquele país, cerca de metade não se encontrava satisfeita com o seu tratamento.

Num estudo recente, no qual fui investigador, verificou-se também que um elevado número de doentes com doença osteoarticular, apesar de tratado, continuava com dor e com incapacidade. O alívio inadequado da dor mostrou ter impacto na diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares, doença renal e depressão.

Como a doença osteoarticular ainda não tem cura, o seu tratamento deve incidir no alívio da dor no doente. O tratamento deve ser holístico e não focar apenas o local da dor.

A dor osteoarticular é um dos temas em destaque no Fórum Futuro 2016, uma iniciativa formativa promovida pela Grünenthal, que decorre em Lisboa, nos próximos dias 18 e 19 de junho.

Este tema foi escolhido pela Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP) para assinalar o Ano Mundial Contra a Dor. Durante este ano serão desenvolvidas, em todo o mundo, várias iniciativas dedicadas a este tema, para doentes e profissionais de saúde.

Artigo de opinião de Dr. José Canas da Silva, Diretor do Serviço de Reumatologia do Hospital Garcia de Orta, Almada

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*