Especialistas querem reduzir impacto da dor crónica na população

Especialistas querem reduzir impacto da dor crónica na população

Pela primeira vez, especialistas médicos em dor, doentes, cidadãos e políticos, definiram recomendações detalhadas para que os governos dos países da União Europeia possam atuar com urgência na diminuição do impacto da dor crónica, uma doença que afeta 1 em cada 5 adultos europeus.

As principais medidas envolvem estabelecer uma plataforma europeia sobre o impacto social da dor; integrar a dor crónica no âmbito das políticas da União Europeia sobre doenças crónicas; implementar ajustes no local de trabalho das pessoas com dor crónica; aumentar o investimento na investigação em dor, e dar prioridade à educação no campo da dor junto de profissionais de saúde, doentes e público em geral.

Estas recomendações são o resultado do Simpósio sobre Impacto Social da Dor, que teve lugar no Parlamento Europeu, em Bruxelas, e contou com a participação de mais de 300 pessoas. Esta iniciativa, que tem o apoio da Grünenthal, teve como objetivos aumentar a consciencialização dos governos e dos cidadãos para a dor crónica, promover a partilha das melhores práticas entre os profissionais, e apelar à implementação de estratégias políticas e atividades para melhorar a gestão da dor, na Europa.

Em Portugal, os custos diretos e indiretos anuais relacionados com a dor crónica ascendem aos 4.611 milhões de euros. Estima-se que a dor crónica afeta mais de 30 por cento dos adultos portugueses. É uma situação de dor persistente que se não for seguida e tratada de modo adequado, poderá afetar gravemente a qualidade de vida das pessoas e pode levar à incapacidade total ou parcial para o trabalho.

DL/LPMCOM

Categorias: Saude

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*