Jornadas Parlamentares Açores Madeira aproximaram social democratas dos arquipélagos

ANTONIO MARINHO Jornadas Açores Madeira 24ABR16 foto

No encerramento das Jornadas Parlamentares Açores Madeira, o líder da bancada parlamentar do PSD/Açores apresentou as conclusões dos trabalhos, de onde se destaca a criação, “em sede de Revisão Constitucional na Assembleia da República, de uma Plataforma da Autonomia das duas Regiões, que possa reunir os vários partidos com base nos consensos regionais que forem estabelecidos”.

António Marinho frisou que as jornadas “aproximaram e permitiram projetar o posicionamento político do PSD dos Açores e da Madeira em questões de coesão territorial, económica e social, numa lógica de avaliação de resultados bem como de análise das políticas atuais e futuras”, explicou.

O presidente do grupo parlamentar do PSD/Açores anunciou igualmente a criação de uma agenda comum entre ambas as Regiões Autónomas “no que diz respeito às prioridades económicas e sociais”, enquadrando o papel dos dois arquipélagos, “à escala regional, nacional, europeia e atlântica, assumindo e reforçando a sua projeção cultural e económica através das comunidades emigradas”.

Também o Estatuto de Ultraperiferia “deverá ser fortalecido como instrumento de diferenciação positiva ao serviço dos Açores e da Madeira. Queremos atenuar as assimetrias e dificuldades existentes entre os territórios insulares e continentais”.

No encerramento das jornadas, António Marinho apelou igualmente “à retoma e aprofundamento das relações comerciais entre as Regiões, reclamando a melhoria das ligações aéreas e marítimas entre os arquipélagos”.

Assim como frisou que “a experiência das atividades económicas tradicionais de uma e outra região deve resultar em benefícios mútuos”, dando como exemplo “o crescimento recente do turísmo nos Açores, que poderá beneficiar com a excelência do turismo madeirense. Tal como a Madeira poderá beneficiar com a superior qualidade das produções agrícolas açorianas”.

O encontro social democrata definiu ainda que, “na economia do mar, a troca de experiências deverá fazer-se nos domínios da ciência, inovação, formação, preservação e gestão de recursos. A esse nível, as competências próprias dos Açores e da Madeira Regiões Autónomas não poderão jamais deixar de ser tidas em conta e merecer a devida articulação com os interesses do Estado, numa lógica de gestão partilhada, por contra ponto com a visão centralizadora do Estado”, concluiu António Marinho.

DL/PSD

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*