Governo dos Açores orgulha-se das manifestações do culto ao Divino Espírito Santo na diáspora e no arquipélago

Paulo-Teves-comunidades-açores-governo

O Diretor Regional das Comunidades afirmou, em Santo António da Patrulha, no estado brasileiro do Rio Grande do Sul, que o Governo Regional se “orgulha muito” das centenas de manifestações do culto ao Divino Espírito Santo que, há séculos, se realizam anualmente na diáspora e no arquipélago.

Paulo Teves, que falava após ter entregue ao Município de Santo António da Patrulha uma coroa do Divino Espírito Santo oferecida pelo Governo dos Açores, salientou “a forte devoção ao culto da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade” e a sua importância “como ponte de ligação e coesão” entre os Açores e as comunidades emigradas.

Paulo Teves acrescentou que “o culto ao Espírito Santo é uma ancestral tradição que conglutina todos os Açorianos e seus descendentes em torno da realidade identitária que melhor define e carateriza o nosso povo, que é a Açorianidade”.

A cerimónia de entrega da coroa, que se destina a substituir a existente, com cerca de 150 anos, contou com a participação de centenas de pessoas, incluindo diversas entidades políticas e sociais, seguindo depois o Diretor Regional das Comunidades para um encontro com o Presidente e vereadores da Câmara Municipal.

Nesta deslocação a Santo António da Patrulha, Paulo Teves visitou ainda a Biblioteca Pública, onde existe a Sala Açoriana, e o Museu da cidade, tendo ainda contactado com muitos habitantes locais, que expuseram nas suas casas bandeiras do Divino Espírito Santo.

O Município de Santo António da Patrulha herdou dos Açorianos, que ali chegaram em 1752, costumes e tradições culturais que ainda hoje são bem visíveis nesta região, nomeadamente na religiosidade, na gastronomia, no folclore, no artesanato e na arquitetura.

O Diretor Regional das Comunidades encontrou-se ainda com o Prefeito da cidade, Paulo Roberto Bier, com quem abordou diversos assuntos de natureza multidisciplinar de interesse para as duas partes, salientando que “a presença açoriana no Estado do Rio Grande do Sul, nomeadamente no Município de Santo António da Patrulha, teve um peso e um impacto notórios na formação e desenvolvimento da cultura gaúcha que o tempo e a distância das raízes não conseguiram apagar”.

DL/Gacs

Categorias: Comunidades

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*