I Festival Internacional de Francesinhas à moda do Porto mas com produtos açorianos

Festival Francesinhas Parque xposições São Migueç Jornal Diario da Lagoa

O I Festival Internacional de Francesinhas foi inaugurado esta quinta-feira, dia 17 de março e ficará patente até ao dia 20 de março, no parque de exposição de São Miguel, na Ribeira Grande.

Nesta primeira edição, foi o restaurante a Cufra, com as suas francesinhas de referência em Portugal Continental, que trouxe até aos açorianos as tradicionais Francesinhas do Porto. No entanto, à sabedoria destas juntaram-se os magníficos e apetitosos produtos açorianos, o que fará com que esta sanduíche se torne única e original.

Para o cozinheiro, José Martins, do restaurante a Cufra, esta é uma experiência diferente, sendo que muitas pessoas ainda não conhecem as francesinhas e vão prova-las neste festival pela primeira vez.

O Restaurante a Cufra, famoso há já 42 anos pelas suas Francesinhas, irá trazer toda a sua experiência a este festival e segundo José Martins a grande diferença será nos produtos açorianos, “a francesinha aqui foi feita com tudo o que é produtos dos açores, ou seja, não há produtos do Continente, são só produtos açorianos desde o queijo, salsicha, linguiça, a carne, que é muito boa, o fiambre, a mortadela, tudo comprado cá. O molho também foi feito cá e com os ingredientes comprados nos Açores, não trouxemos nada do Porto”.

O cozinheiro do Cufra, em declarações ao Diário da Lagoa, salientou ser uma excelente ideia desenvolver francesinhas à moda do Porto mas com produtos açorianos, nos restaurantes da Região Autónoma dos Açores.

Para o Presidente da Federação Agrícola dos Açores, Jorge Rita, este festival também serve para demonstrar e “para dar notoriedade àquilo que se faz na Região Autónoma dos Açores com produtos regionais”.

“Essencialmente serve para provarmos mais uma vez a excelência dos nossos produtos e a qualidade que têm e como as francesinhas são muito famosas e aqui com produtos regionais, isso por si só, já é um chamariz excelente para que as pessoas possam cá vir. Para perceberem o que é a simbiose entre um produto com fama nacional e da excelência alocada dos nossos produtos a essa mesma marca”, frisou Jorge Rita em declarações ao Diário da Lagoa.

Consequentemente, para o Presidente da Federação Agrícola dos Açores, este Festival e estes eventos também servem para demonstrar a importância do Parque de Exposição de São Miguel e do investimento em si. Segundo Jorge Rita, “ as pessoas mais séticas em relação a este investimento, eu penso que já se renderam à evidencia porque aquilo que nós achamos, como se disse sempre da primeira hora, nós precisávamos de um espaço destes para os eventos das vacas, das feiras agrícolas mas que seria também com a finalidade de multiusos e hoje está bem evidenciado a excelência deste espaço que tem potenciado muitos outros eventos, que é claramente um objetivo que está conseguido”.

Assim sendo, Jorge Rita afirmou que durante este ano e nos anos vindouros este parque de exposição irá receber outros eventos, sendo que “mesmo a nível nacional existe muito interesse em realizar eventos aqui”.

Para o Presidente da Federação Agrícola dos Açores,, a ideia de fazer francesinhas nos Açores à moda do Porto mas com produtos açorianos pode ser uma mais valia. “A partir daqui deste momento e conforme o sucesso que o evento tiver, eu penso que esta organização, por si só também catapultar isso para outros patamares e acho que faz sentido”, finalizou Jorge Rita.

DL/AS

Categorias: Local

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*