Sofia Ribeiro afirma “o leite corre nas veias dos Açorianos” e distribui leite dos Açores na Comissão de Agricultura do Parlamento Europeu

Parlamento europeu Comissão Agricultura eurodeputada Sofia Ribeiro (1)

Foi apresentado e discutido, na Comissão de Agricultura do Parlamento Europeu, o relatório da sua Missão aos Açores, numa sessão em que a Eurodeputada Sofia Ribeiro manifestou uma “enorme satisfação e orgulho”, como organizadora desta iniciativa.

Durante a sessão intervieram, juntamente com Sofia Ribeiro e Ricardo Serrão Santos, os deputados que participaram na missão aos Açores, destacando-se o seu Presidente Cezlaw Siekierski, o Vice-Presidente Eric Andrieu, o Coordenador do PPE Albert Dess. Para a Eurodeputada “a ida desta comissão aos Açores serviu para se inteirarem dos problemas que os produtores de leite atravessam neste momento, ficando assim claro para todos, as enormes dificuldades que as regiões ultraperiféricas têm para desenvolver a sua actividade agrícola” .

De facto, esta visita decorreu entre 2 e 5 de Novembro, tendo a comitiva percorrido 4 ilhas Açorianas e contactado com os representantes de todo o sector agrícola, nomeadamente os produtores, a indústria e a comercialização. Paralelamente tiveram reuniões institucionais com o Governo Regional e a Assembleia Legislativa Regional. Segundo Sofia Ribeiro, todas estas iniciativas permitiram verificar in loco “a impossibilidade da diversificação agrícola por motivos edafo-climáticos, geológicos e geográficos, dupla periferia, entre outros” tendo acrescentado que estas limitações resultaram na “especialização da produção de leite, e permitam-me que o afirme, uma produção de excelente qualidade.”

Apesar de reconhecer que as consequências do embargo russo e do fim das quotas estão a por em causa a sustentabilidade de toda a frágil economia regional, que está assente na produção de leite e de toda a sua fileira, Sofia Ribeiro afirmou que “não quero que fiquem com a ideia de que o problema é meramente económico. Não é. É também um problema social e familiar, de ocupação das zonas mais rurais e periféricas, de promoção da biodiversidade e de respeito pelo meio ambiente, pela capacidade em resistir à construção desenfreada em bons campos agrícolas e também por questões históricas e culturais”.

Para Sofia Ribeiro “o leite corre nas veias dos Açorianos e os nossos animais passam os dias em liberdade nas nossas verdes pastagens. Seria uma tremenda injustiça, uma enorme traição de todos nós se não agirmos e não permitirmos que se mantenha esta produção nos Açores. Não pensem que estamos a pedir sempre algo, que ao termos uma discriminação positiva, outros serão prejudicados. Não se trata disto. Apenas pedimos que se cumpram os tratados, nomeadamente o artigo 349 do TFUE que prevê medidas excepcionais para as RUP. Neste momento, com todos os constrangimentos que temos, não conseguimos produzir em igualdade de circunstâncias com outras regiões europeias, nem conseguimos ser competitivos”.

DL/GDPE

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*