Encontro Pedras Negras reuniu escritores de três ilhas

concurso PEdras Negras Mirateca Artes

A MiratecArts organizou o Encontro Pedras Negras como arranque na programação no Azores Fringe Festival 2015.  Durante este primeiro fim-de-semana de 32 dias de arte e artistas, a associação deu as boas vindas a escritores das ilhas de São Miguel, Flores e Pico. O objectivo do encontro foi dar a conhecer as mais variadas formas de escrita e alguns escritores que chamam os Açores de sua casa. Entre conversas, apresentações sobre escritores, de outros tempos, e partilha de obras e biografias de novos escritores, foi um fim-de-semana bem recheado entre o concelho das Lajes do Pico e a Madalena.

O escritor picoense Manuel Tomás apresentou o seu novo livro, O Pintor Excessivo, mas também participou, na sexta-feira à noite, no evento de abertura do encontro, com uma apresentação sobre o grande escritor Dias de Melo.  “Os Três Florentinos” foi a apresentação da Gabriela Silva, que veio ao encontro, oriunda da ilha das Flores. Os jovens Pedro Paulo Câmara e Carolina Cordeiro levaram os participantes numa viagem pelas palavras de escritores açorianos dos séculos XIX e XX. A tarde de sábado foi preenchida com conversas sobre a publicação de livros nos Açores e mostra de trabalhos pelos participantes.

Uma visita à Calheta de Nesquim, berço de Dias de Melo e onde passou muitos dos seus dias, mesmo que tenha desiludido alguns dos participantes, ficará registada como sendo um momento único. “É triste ver ao abandono os alicerces do que resta da vida de um grande homem,” adicionou Almeida Maia.

“A conjugação dos verbos ser e dar, espelhados no rosto de um homem e retratados num momento do tempo,” partilha Malvina Sousa, quando falava do encontro com o escritor picoense Ermelindo Ávila, que está prestes a celebrar o seu centenário de vida, ” foi um momento inspirador”.

O encontro terminou no Domingo com um “Brunch de Letras”, onde os participantes partilharam alguns dos seus trabalhos através da declamação dos mesmos.

Terry Costa, diretor artístico da MiratecArts e organizador do Encontro Pedras Negras, deseja continuar com este projeto anualmente: “Viajando de ilha para ilha seria o ideal. O encontro será cada vez mais apetecível se formos re-inventando as temáticas abordadas e, claro, homenageando escritores açorianos de outros tempos, enquanto partilhando o trabalho dos escritores locais que produzem e publicam obras literárias. Incentivar os mais jovens a realizar pesquisa e publicar os seus trabalhos, quer tenham ou não a haver com os Açores, é muito importante. O que é necessário é participar, partilhar, editar: As nossas histórias necessitam de ser contadas.”

DL/MA

Categorias: Cultura

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*