Treinadores açorianos fazem balanço positivo da Taça de Portugal em PA

Taça Portugal Patinagem Artistica Clubes açores - Jornal Diario da Lagoa

O treinador do Clube de Patinagem de Santa Cruz (CPSC) considerou que o terceiro lugar alcançado pelo clube na Taça de Portugal em patinagem Artística, realizada este fim-de-semana na Cidade de Lagoa (Açores), foi um prémio e uma honra. Geraldo Andrade disse mesmo ter sido um orgulho finalizar a prova no pódio entre os 29 clubes participantes. “Só podemos estar satisfeitos, foram dois dias de festa, com as bancadas cheias, onde o público aderiu em massa” referiu.

Em termos da organização Geraldo Andrade considerou que correu bem, tendo valido a pena a realização desta prova na Lagoa. “Nos próximos anos, a patinagem artística vai mesmo crescer”, considerou o treinador.

Em termos competitivos, Geral Andrade recordou as 14 participações consecutivas na Taça de Portugal, sendo que o clube tem tentado, de ano para ano, evoluir e será isso que vai continuar a fazer.

A finalizar, o treinador micaelense voltou a frisar o facto de que, nos últimos anos, a Taça de Portugal tinha entre seis a dez clubes participantes, “a edição deste ano contou com 29 clubes e conseguirmos chegar ao pódio foi fantástico. Este é o sinal de que o futuro vai ser cada vez mais marcante, cada vez mais haverão sucessos”, disse.

Por seu turno, a treinadora do Clube de Patinagem da Vila de Capelas, outro dos clubes açorianos em prova, fez também um balanço positivo da participação.

Florinda Ponte destaca esta primeira participação com boas prestações por parte dos seus patinadores. “Eles tiveram boas prestações e superaram os objetivos. Tivemos atletas que conseguiram mesmo atingir pontuações nunca antes alcançadas”, referiu.

A jovem treinadora refere que os atletas acabaram por aprender muito com os restantes participantes que lutam em patamares superiores.

Reconhecendo que a competição era bastante forte, com patinadores medalhados a nível nacional e internacional, Florinda Ponte recordou que os seus atletas tinham noção das dificuldades, mas mesmo assim conseguiram atingir os objetivos propostos.

“Esta participação poderá ajudar os patinadores das Capelas, principalmente em termos de motivação, para trabalhar mais e melhorar os seus erros”, referiu a treinadora.

Também Filipe Viegas, da Escola de Patinagem de Ponta Delgada (EPPD), fez um balanço positivo da participação na Taça de Portugal.

Recordou que o clube participou apenas com cinco atletas, uma vez que uma das patinadoras não conseguiu os mínimos, embora estivesse pré-selecionada.

Filipe Viegas diz que os seus atletas empenharam-se ao máximo, embora reconheça que os resultados não foram os esperados, mas também admite que o nível de competição foi muito elevado com atletas de nível internacional.

Em declarações ao Jornal Diário da Lagoa, o treinador da EPPD mostra-se satisfeito pela participação, pelo facto dos seus atletas participarem numa prova de nível nacional, algo que nunca tinham tido oportunidade. “Para os jovens acaba por ser um impulso para o empenho”, admitiu Filipe Viegas.

A EPPD irá entrar agora numa fase de maior competitividade, uma vez que, aproveitando a liberalização do espaço aéreo dos Açores e com a entrada das Low Cost, vai apostar em torneios particular em território continental, para que os seus atletas possam evoluir, progredir e ter prestações muito melhores. “A competição leva à evolução, e nos Açores à muita pouca competição”, reconheceu.

DL

Categorias: Desporto, Local

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*