BE exige mais explicações ao Governo sobre liberalização do espaço aéreo nos Açores

SATA-Air-Açores-Avião-trem-aterragem

O Bloco de Esquerda quer que o Governo Regional explique, de uma vez por todas, de forma clara e objectiva, qual o preço máximo que poderá ser praticado pelas companhias aéreas que operem nas rotas que serão liberalizadas nos Açores, ou seja, nas ligações directas entre as ilhas São Miguel e Terceira, e o continente.

Neste momento, sabe-se que o consumidor final, residente nos Açores, pagará, no máximo, após reembolso, 134 euros, mas o Governo ainda não esclareceu qual será o valor máximo que o consumidor irá pagar no momento da compra do bilhete, antes de receber o reembolso.

A semana passada, no âmbito do debate do Plano e Orçamento dos Açores para 2015 o secretário regional do Turismo e Transportes fugiu à questão, dizendo que a ligação com o continente terá o preço máximo de 320 euros se for feito através das ilhas abrangidas pelas Obrigações de Serviços Público. Ou seja, ficou por saber qual o valor máximo a pagar se o consumidor quiser ir para o continente com ligação directa – sem escalas – a partir de São Miguel e Terceira.

Tendo em conta que a localização geográfica dos Açores e reduzida dimensão do mercado são factores desfavoráveis ao estabelecimento de rotas, de e para a Região, por parte de companhias aéreas de baixo custo, e que os únicos factores que poderão facilitar a actividade regular dessas companhias nos Açores serão a redução das taxas aeroportuárias e eventuais contrapartidas atribuídas a essas companhias, o Bloco de Esquerda quer que o Governo explique detalhadamente quais serão as contrapartidas estabelecidas para as rotas que serão liberalizadas.

Num requerimento enviado hoje ao Governo Regional, o Bloco de Esquerda exige ainda o acesso ao estudo que serviu para calcular os custos que a liberalização destas rotas comporta à Região tendo em conta que há uma expectável oscilação dos preços ao longo do ano e que existe um compromisso de ressarcir os cidadãos residentes, de forma a que o custo, por passagem, não exceda os 134 euros.

DL/BE-A

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*