Europa deve criar instrumento que atue preventivamente no mercado do leite, defende Serrão Santos

Ricardo-Serrão-Santos-Estrasburgo-

Ricardo Serrão Santos interveio, esta quarta-feira, em Bruxelas no âmbito da discussão preliminar do relatório sobre o fim das quotas leiteiras denominado “Perspetivas para o setor dos laticínios da UE – Revisão da aplicação do «pacote do leite»”.

O eurodeputado açoriano, que é o responsável dos Socialistas Europeus pelo acompanhamento deste importante dossiê que pretende alertar o legislador europeu para as necessidades atuais e futuras para o sector do leite na Europa, referiu estarmos “na iminência de entrar em terreno completamente desconhecido depois de 31 de Março de 2015 com o fim das quotas leiteiras mas não podemos ignorar os sinais a que temos vindo a assistir”. O socialista afirmou que a União europeia “deve refletir numa forma de tornar o European Milk Observatory num instrumento que permita agir preventivamente” é que, salientou, “precisamos de nos munir de mecanismos adequados para prevenir e fazer face a desequilíbrios acentuados do mercado”.

Ricardo Serrão Santos chamou a atenção para a evolução do preço do leite “desde Janeiro deste ano os preços à produção têm vindo a sofrer uma tendência continuamente decrescente”. Tal facto, tal como é mencionado pela própria Comissão Europeia, resulta do “excesso de produção e do decréscimo da procura internacional, nomeadamente da China”. Questionou, por isso, “os pressupostos associados ao fim das quotas no que diz respeito às perspectivas de maior procura nos mercados internacionais. Este é o 6º ano consecutivo em que a procura da China decresce neste mercado”.

Referindo-se aos Açores e ao esforço da lavoura açoriana referiu “que as quotas leiteiras não foram impedimento da diminuição do número de explorações, mas é preciso realçar que isto foi acompanhado de um empenho extremo na modernização resultando até, em alguns casos, no rejuvenescimento do sector, como na minha região que é os Açores”.

Ricardo Serrão Santos disse, ainda, que “é preciso adequar a lei da concorrência aos mercados agrícolas e inserir dispositivos para identificar e prevenir as pressões exercidas pela distribuição sobre os produtores”. E, insistiu, num tema que pode fazer a diferença para a afirmação da marca dos lacticínios dos Açores “na necessidade de dar continuidade às recomendações do grupo de alto nível do leite, no que diz respeito à rotulagem da origem do leite e produtos lácteos”.

DL/GDPE

Categorias: Política

Deixe o seu comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*