AMRAA

Decorreram nos dias 27 e 28 de Fevereiro, na cidade de Caiena, na Guiana Francesa, as XI Jornadas Municipais das Regiões Ultraperiféricas da Europa e de Cabo Verde, a par da reunião estatutária de Conselho de Administração da Confederação de Municípios Ultraperiféricos (CMU), organismo criado pelas associações de municípios das RUP, visando o estreitamento da cooperação transnacional e transregional através do Poder Local.

O Vice-Presidente da AMRAA, José Leonardo Silva, que participou na Sessão de Abertura, salientou a grande necessidade de incrementar as ligações entre os municípios das RUP, relevando o papel geopolítico e estratégico que uma confederação desta natureza poderá ter no seio da União Europeia, reforçando o poder de lobby das entidades municipais junto das instituições comunitárias. Ainda durante a manhã do dia 28, o Presidente da Câmara da Horta, integrou um dos painéis das jornadas, sob o tema “As oportunidades para a cooperação entre as RUP’s e os seus municípios com os países vizinhos”, no qual refletiu acerca da cooperação transregional Europeia, com incidência particular sobre os projetos já desenvolvidos pela AMRAA com os demais parceiros da CMU, colocando na base do seu discurso a necessidade de encontrar novas formas de financiamento para a cooperação intermunicipal transregional.

Participando como orador no painel “Empregos verdes e formas de gerir um projeto conjunto na área da economia verde”, Roberto Silva, Presidente da Câmara Municipal das Lajes do Pico, concretizou o seu discurso em torno da temática da agricultura, especificando a situação da ilha do Pico e incidindo sobretudo sobre a indispensabilidade do papel desta atividade do setor primário como motor do crescimento rural e, subsequentemente, da criação de emprego e fixação das populações. No âmbito das energias renováveis e sustentabilidade energética, Carlos Mendonça, Presidente da Câmara Municipal do Nordeste, apresenta a experiência da sua autarquia nesta vertente, focando os resultados obtidos no Parque Eólico dos Graminhais e estabelecendo como imperativo político o alargamento da utilização de fontes energéticas renováveis e a minimização da dependência das energias fósseis, não só como forma de alcance da sustentabilidade ambiental, mas igualmente como relevante garante de poupanças e do alcance da convergência económica da região.

Com base nas disposições estatutárias da Confederação, nomeadamente na premissa da presidência rotativa, a AMRAA assumirá no período de 2016-2017 o mais alto cargo diretivo da CMU, tendo referido o Vice-Presidente da AMRAA que “o trabalho para presidência da AMRAA na CMU começará a ser preparado já em 2014”, comprometendo-se a associação de municípios com a intensificação do lobby para institucionalização da CMU, bem como pela criação de condições políticas para o seu alargamento e pelo desenvolvimento de novos projetos de cooperação dos municípios das RUP.

DL/AMRAA